INTERNET

Abranet e Brasscom advertem que cobrar ICMS no comércio eletrônico é inconstitucional

Convergência Digital ... 08/04/2020 ... Convergência Digital

Mesmo tendo sido um projeto do governo do Estado do Rio de Janeiro, entidades de internet e de empresas digitais, caso da Abranet e da Brasscom, alertam para a inconstitucionalidade da cobrança de ICMS do comércio eletrônico, como previsto no projeto de lei 2023/2020, aprovado pela Alerj e à espera de sanção.

Além de apontarem que a medida vai inibir o próprio uso de ferramentas digitais – em um momento em que elas são ainda mais importantes diante das medidas para evitar a disseminação do coronavírus – há um pedido formal para que o governador Wilson Witzel vete pelo menos parte da proposta. 

“O ICMS deve ser recolhido por quem emite a nota fiscal", resume Eduardo Neger, presidente da Associação Brasileira de Internet (Abranet), que considera o PL 2023 inconstitucional. A entidade se baseia em parecer do tributarista Luiz Roberto Peroba, do escritório Pinheiro Neto Advogados. Ele esclarece que a Lei Complementar nº 87, de âmbito nacional, estabelece que o pagamento do ICMS seja feito pela empresa proprietária do bem ou serviço colocado à venda.

O tema, vale lembrar, tem constitucionalidade questionada no Supremo Tribunal Federal em duas ações. Além disso, a tentativa feita pelo estado de São Paulo de tributar as transações online já foi barrada pelo Judiciário – e um recurso apresentado para questionar essa decisão no Superior Tribunal de Justiça foi negado. 

"O ICMS não pode ser diferente de Estado para Estado. Em atendimento ao Artigo 146 da Constituição Federal, a Lei Complementar nº 87 define as regras desse imposto para todo o território nacional e que devem ser seguidas de maneira uniforme por todos os Estados. O governo do Rio de Janeiro só poderia fazer o PL 2023 se houvesse uma Lei Complementar à Constituição Federal autorizando os Estados a estipular como contribuinte do ICMS alguém que não fosse o vendedor da mercadoria", esclarece o tributarista.

Adicionalmente, a Brasscom encaminhou um pedido formal ao governador do Rio de Janeiro apontando para o equívoco da medida. “A instituição da incidência de ICMS sobre ‘bens mercadorias digitais’ representaria política que colide com o que se faz necessário para ampliar o acesso das pessoas às facilidades da vida na Era Digital, além de ter alcance duvidoso em termos de arrecadação, haja vista o forte viés inibitório que tal medida acarretaria no uso e fruição das soluções digitais”, alega no documento.  

Lembra ainda a Brasscom que “a política fiscal que ora se pretende instituir vai na contramão das políticas de isolamento social requeridas pelas autoridades para o enfrentamento da pandemia, na medida em que desestimula o comércio eletrônico de mercadorias ao encarecer as operações com o tributo estadual. O uso das plataformas destinadas a facilitar o encontro entre os titulares das mercadorias e potenciais compradores é fundamental para garantir a manutenção da política de isolamento social, e, ao mesmo tempo, dar continuidade ao fluxo de comércio e à geração de riqueza mínimos nesse momento de retração econômica pelo qual todos os países estão passando.”

Argumento também usado pelo presidente da Abranet. "Se for sancionado, haverá um aumento exorbitante dos custos administrativos das plataformas e fintechs", prevê Neger. "Isso abalaria as transações online num momento em que as empresas do setor se veem diante do desafio de prover o abastecimento seguro e eficaz de bens e serviços à população, boa parte em isolamento para evitar a propagação do contágio do coronavírus".


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

MP de Brasília abre inquérito para apurar venda de dados pessoais

Empresa na mira do Ministério Público do Distrito Federal e Territorios (MPDFT) é a Procob S.A. De acordo com a denúncia, essa empresa comercializa relatórios contendo informações como endereço, telefones, e-mails e outros.

TJSP começa com grupo Itaú projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas

Segundo oTribunal, informações técnicas para a participação foram enviadas a diversas instituições, mas por enquanto  somente o grupo financeiro respondeu. 

Facebook anuncia exclusão de mais de 50 milhões de postagens falsas

Trabalho de filtragem de conteúdo é  feito por algoritmos de inteligência artificial que identificam conteúdos abusivos com expressões de discurso de ódio, nudez adulta e atividades sexuais, violência e conteúdo explícito, bullying e assédio.

MPF: Expor em redes sociais quem descumpre isolamento é obrigação

Em nota técnica, Procuradoria dos Direitos do Cidadão defende ato de denunciar ou expor pessoas que promovem festas, reuniões ou outras atividades temporariamente proibidas.

MPF pede ao Google para tirar do ar vídeo de pastor vendendo feijão como cura da Covid-19

Valdemiro Santiago de Oliveira, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, vende por R$ 100 a até R$ 1 mil, sementes de feijão "mágico". 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G