Depois das antenas, governo acena com solução para uso dos postes

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/09/2020 ... Convergência Digital

Com o Decreto 10.480/20, que regulamentou a Lei das Antenas (13.116/15) e a previsão na proposta de Orçamento de 2021 da renúncia de receitas relativas a taxas para dispositivos da internet das coisas e antenas de conexão via satélite, o Ministério da Economia sinalizou que busca destravar outro nó na infraestrutura de telecomunicações: o compartilhamento dos postes do setor elétrico. 

“Queremos entrar nessa discussão ainda mais difícil, que é a regulação dos postes. Está claro que é fundamental que se promova incentivos ao setor elétrico para que incorpore nos postes o uso da fibra ótica e antenas”, afirma o subsecretário de regulação de mercado do Ministério da Economia, Gabriel Fiuza. 

A promessa foi feita durante debate realizado nesta terça, 29/9, durante o Painel Telebrasil 2020. Segundo Fiuza, as discussões sobre o tema já começaram e devem ser aproveitadas na revisão do marco legal do setor de energia elétrica. Um dos pontos seria rever as regras relativas à modicidade tarifária, que segundo o subsecretário desincentivam o uso eficiente dessa infraestrutura passiva. 

“A modicidade tarifária não deve ser vista como conceito de curtíssimo prazo, estanque, mas dinâmico. Ao promover a modernização das redes, promove ganhos de eficiência que, pelo menos parcialmente, podem ser compartilhados com o consumidor. O quanto pode ser tratado na regulação.”

O aceno foi bem recebido. “Os postes constituem um ativo extremamente importante para levar a rede final ao usuário, e também para montagem das redes metropolitanas, para as cidades inteligentes e para fibrar os novos sites. Tão importante que deve ser tratado como politica pública, acima de um setor ou outro”, emendou o diretor de infraestrutura do Sinditelebrasil, agora rebatizado Conexis, Ricardo Dieckmann. 


Internet Móvel 3G 4G
Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

As corporações estão obrigadas a repensar a proteção de dados. Atualizações constantes, trocas de senhas, autenticação em dois fatores são exemplos de medidas básicas que precisam ser massificadas. 

Oi entra na disputa do mercado de marketplaces para consolidar marca de consumo

Plataforma OiPlace chega ao mercado com mais de 3 mil produtos. Tele também incluiu canal ao vivo no Oi Play, a partir da mudança da regra de conteúdo na Internet pela Anatel.

Em três meses, Anatel e PF apreendem mais equipamentos irregulares que em todo 2019

Somente entre julho e setembro deste 2020 foram 243,7 mil equipamentos sem certificação, entre baterias, carregadores, TV boxes, smartwatches e conversores digitais com Wi-Fi.

5G: Teles insistem em filtro nas parabólicas e rejeitam migração da TV

Estudo contratado pelas operadoras diz que mitigação da inferências do 5G nas antenas custaria R$ 224 milhões, enquanto transferir a recepção para a Banda Ku, acima de 10 GHz, seria R$ 1,8 bilhão. 

Para vender Correios, Minicom transforma Anatel em Agência Nacional de Comunicações

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, à Presidência da República o projeto de lei (PL) que cria as condições para a privatização dos Correios. Texto vai para o Congresso. Expectativa é fazer a privatização em 2022.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G