Home - Convergência Digital

Sindisat reclama da 'fome' das operadoras por espectro para o 5G

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 01/10/2019

As empresas que operam satélites no Brasil reclamam do constante apetite das teles móveis por mais espectro, e acusam a investida sobre o que consideram radiofrequências de uso satelital, especialmente na construção do primeiro leilão 5G no país, previsto para 2020. 

“Ainda nos surpreende a progressiva e constante investida do segmento móvel sempre em busca por mais espectro, inclusive daquelas faixas que já estão atribuídas e em uso por satélites de comunicação. Não satisfeitos com as faixas de 450, 700, 800, 900, 1.800 MHz, além do 2,1, 2,5 GHz, isso só para mencionar as que já estão autorizadas para uso, o segmento móvel ainda segue firme em sua jornada de pedir tudo para conseguir o desejável. Agora, após o 3,5 GHz, a banda C é o mais novo objeto de interesse”, dispara o presidente do Sindisat, Luiz Otavio Prates. 

“Tomando por base a essencialidade do espectro para o satélite, o Sindisat torna a defender a atribuição e a destinação das faixas já designadas para a tecnologia de satélites”, emenda o executivo. “Essa reiterada e contínua tentativa de destinação de faixas e mais faixas para compor o amplo portfólio de frequências do 5G é uma pauta que, se não definitivamente superada como é no caso de 28 GHz, com mais de 8 satélites já operando no Brasil nessa faixa, é, no mínimo, prematura.”

Até aqui, a Anatel alinhou nacos das faixas de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz para o que se anuncia o maior leilão de espectro já realizado pela agência reguladora brasileira. O plano é de que essa oferta pública seja realizada em algum momento de 2020. 

“Não se trata de defender algo inovador e eventualmente impossível, mas de apontar caminhos, como o compartilhamento de rede em determinadas faixas, como a de 26 GHz, que possui ampla capacidade espectral, para uso simultâneo por diversas operadoras. Isso evitaria essa gana de abocanhar este recurso que é essencial para a indústria satelital.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/11/2019
5G: Com testes favoráveis a filtros, teles rejeitam banda Ku como saída para 3,5 GHz

14/11/2019
Yahsat amplia banda larga via satélite em 400 cidades

11/11/2019
5G exige políticas públicas e apoio do Governo

11/11/2019
Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

11/11/2019
Satélites vão ter papel central no ecossistema do 5G

08/11/2019
Teles não podem repetir 4G e serem engolidas pelas OTTs no 5G

08/11/2019
Ericsson: 72% dos decisores querem 5G em 2020 no Brasil

08/11/2019
Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

07/11/2019
Anatel adia e edital do 5G tende a ficar para 2020

07/11/2019
5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

Destaques
Destaques

5G exige políticas públicas e apoio do Governo

Como ressalta o diretor de relações governamentais da Huawei, Carlos Lauria, investimentos pesados em infraestrutura de redes envolvem políticas públicas em qualquer país. 

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site