Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

Luís Osvaldo Grossmann ... 31/07/2020 ... Convergência Digital

Ainda com muito trabalho regulatório, especialmente os cálculos envolvidos, a migração das concessões de telefonia para o regime privado só deve acontecer em 2022, segundo projeta a Anatel. Até lá, a Oi espera convencer o regulador a perdoar dívidas históricas como forma de reduzir as obrigações contratuais – o que por sua vez pode reduzir o valor da eventual adaptação do STFC. 

“A concessão é desequilibrada, deficitária e insustentável. Então toda e qualquer vertente regulatória aplicada à concessão deveria ter avaliação sobre sua sustentabilidade. Por exemplo, no caso do PGMU sempre se trocou X por X. Mas no PGMU 5 tem que trocar X por X menos alguma coisa, para retirar a onerosidade excessiva de forma que a gente possa respirar”, apontou a diretora regulatória da Oi, a maior concessionária do STFC no Brasil, Adriana Costa. 

O fim das concessões foi o tema de um debate online promovido pelo portal Tele.Síntese nesta sexta, 31/7. No encontro, o superintendente de Competição da Anatel, Abraão Silva, tentou esclarecer alguns pontos que impactam nas interpretações sobre desequilíbrio ou sustentabilidade. A começar pelo fato de que concessão de telefonia não é como rodovia. Tem concorrência. 

“O equilíbrio da concessão não é garantia de retorno fixo. A concessão do STFC pode ter prejuízo ou lucro. Portanto o equilíbrio econômico da concessão é um equilíbrio de regras e obrigações estabelecidos no contrato. A sustentabilidade é um conceito mais abstrato que serve para o regulador avaliar se a perspectiva da concessão até o final é sustentável. Mas o fato de a concessão eventualmente ser insustentável não enseja em obrigatoriedade do Estado colocar dinheiro na concessão, porque a concessão está debaixo do risco do negócio", apontou Abraão Silva.

A Oi, assim como também a Telefônica, fizeram pleitos para que a Anatel carimbasse as concessões do STFC como insustentáveis. A superintendência de Competição negou. Ambas recorreram e aguardam decisão do Conselho Diretor. Para Silva, esses recursos, assim como os regulamentos sobre bens reversíveis e as regras da migração darão o tom do encontro de contas a ser feito em futuro próximo entre concessionárias e União. Amigável, na forma da Lei 13.879/19, ou na marra, pelo fim improrrogável dos contratos em 2025, o resultado será um saldo, tudo indica, favorável ao Estado. 

Parte desse saldo está no mencionado Plano Geral de Metas de Universalização. A conta mais atualizada (2018) indica que as empresas assumiram compromissos não cumpridos da ordem de R$ 3,7 bilhões, sendo que a fatia da Oi corresponde a mais da metade desse valor. A interpretação da empresa é que a LGT (Lei 9.472/97), ao prever a adoção de “medidas que impeçam a inviabilidade econômica da prestação no regime público” dá espaço para essa dívida ser reduzida. 


Bahia Norte constrói dutos para fibra óptica em rodovias atenta ao mercado de telecom

Concessionária investe R$ 10 milhões em 132 km de fibras na região metropolitana de Salvador para alugar a provedores e operadoras. 

Minicom: O momento é de repensar os negócios e o 5G vai ajudar muito

Ministério está comprometido a fazer política pública para tratar do desenvolvimento das TICs, assegurou o diretor do Departamento de Inclusão Digital, Wilson Wellisch.

SindiTelebrasil muda marca para Conexis. Rodrigo Abreu, da Oi, assume comando

Abreu substitui o presidente da Algar Telecom, Luiz Alexandre Garcia, que ficou à frente da entidade nos últimos cinco anos. Prioridades de Abreu são o leilão 5G e fazer valer a Lei das Antenas no dia a dia real das teles.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G