GOVERNO » Política Industrial

Governo abre duas novas consultas para atender OMC na Lei de Informática

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/05/2019 ... Convergência Digital

O governo federal publicou nesta sexta, 10/5, duas novas consultas públicas sobre mudanças nos processos produtivos básicos de desktops e placas de circuito impressos. É mais um passo nos ajustes ao sistema de incentivos à produção nacional previsto na Lei de Informática, no sentido de atender a decisão da Organização Mundial do Comércio que considerou alguns dos benefícios da política brasileira em desacordo com compromissos internacionais.

São mais duas da lista de 40 PPBs apelidadas de ‘nested’, porque contém exigências de componentes também produzidos com incentivos – mal comparando, algo como PPBs aninhadas em outras PPBs. Ambas adotam a mesma fórmula que vem sendo costurada para manter o incentivo à fabricação nacional e que já foi apresentada nas duas consultas anteriores, sobre notebooks e celulares.

Assim, a ideia é cortar referências a determinados percentuais de nacionalização e adotar o sistema que dá pontos caso o fabricante incorpore etapas produtivas no Brasil. No caso dos desktops, são discriminadas 18 dessas etapas, que somam um total de 122 pontos. Com 46 pontos o PPB é considerado atendido – e, portanto, o produto fica elegível aos incentivos. As duas consultas recebem contribuições por 15 dias.

Das 40 PPBs ‘nested’ que precisam ser modificadas, a prioridade está sendo dada para aqueles produtos de maior impacto na cadeia de fornecedores nacionais – daí terem saído notebooks e celulares, agora desktops e placas. Ainda na fila dos mais importantes estão impressoras e equipamentos de rede de telecomunicações (notadamente estações radio-base).

A principal diferença nas duas PPBs na praça, no entanto, é a referência de que elas valerão também para a Zona Franca de Manaus. A medida é fruto direto da pressão do polo industrial amazônico sobre Brasília – que foi até a Casa Civil reclamar que ficou de fora da nova dinâmica de incentivos que vem sendo desenhada pelos ministérios da Economia e de Ciência e Tecnologia.

O mais curioso desse movimento é que ele parece ir contra ao que passaria a ser uma vantagem evidente da Zona Franca sobre o resto do país. A decisão da OMC não atingiu os PPBs da ZFM, que portanto poderiam continuar com incentivo atrelado ao Imposto de Produtos Industrializados. Fora de lá, o IPI não mais poderá ser o instrumento da política – e até aqui tudo indica que a troca por créditos tributários não vai conseguir repor o mesmo nível de benefícios. Ou seja, o IPI poderia ser o ativo para atrair mais empresas para Manaus.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Privatização da Telebras e perda da soberania antagoniza deputados e Governo

Enquanto representantes do governo Bolsonaro afirmam que 'é cedo' para discutir o impacto real da possível venda da estatal, parlamentares da CCTI da Câmara, entre eles, o deputado Luis Miranda, do DEM/DF, criticam a decisão por interferir em dados sensíveis ao Estado.

Bolsonaro reduz impostos sobre jogos eletrônicos. Zona Franca reage

As alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre consoles e máquinas de jogos de vídeo, partes e acessórios que variavam de 20% a 50%, foram reduzidas para 16% a 40%.

PF prende quatro sob alegação de terem hackeado celular de Sergio Moro

Polícia Federal não quis dar maiores detalhes sob justificativa de preservar as investigações. Prisões ocorreram nas cidades de São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto. Operação foi batizada de Spoofing.

MP entra com pedido para TCU fiscalizar terceirizações no Governo Federal

Subprocurador-geral, Lucas Rocha Furtado, diz que as terceirizações são uma forma de driblar a obrigatoriedade de concurso público, previsto na Constituição. Também alega que as terceirizações estão sendo feitas para 'satisfação de interesses pessoais', mediante direcionamento na indicação de profissionais.

Decreto coloca IoT no Fistel reduzido e permite enquadramento como SVA

Publicação do Plano Nacional de Internet das Coisas tem conceito flexível para possibilitar que esses serviços escapem do ICMS. Até eventual aprovação da lei que zera a taxa de fiscalização, equipamentos pagam R$ 1,89 por ano. 



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G