Clicky

5G: Teles insistem em filtro nas parabólicas e rejeitam migração da TV

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/10/2020 ... Convergência Digital

Confiantes de que a Anatel vai aprovar o único modelo de filtro que, a princípio, atenderia as especificações para evitar interferências do 5G nas antenas parabólicas, as operadoras de telecomunicações reforçaram a preferência com um novo estudo econômico. Nas contas apresentadas pelo setor nesta terça, 15/10, e que serão levadas à Anatel e ao governo, a solução pela mitigação com filtros custaria R$ 224,1 milhões, enquanto a migração da recepção das TVROs para a Banda Ku exigiria R$ 1,8 bilhão. 

“Queremos o melhor modelo que valorize os investimentos e tenha o menor custo social. E de fato existe essa solução, de maneira concreta e objetiva, com os novos filtros, que atendem com folga as especificações da Anatel. Faremos um roadshow para apresentar o resultado a todas as autoridades competentes. E vamos encaminhar esse estudo formalmente aos ministérios e à agência”, afirmou o presidente do sindicato nacional das teles, a Conexis, Marcos Ferrari. 

O estudo, elaborado pela LCA Consultores, adotou aproximações uma vez que nem Anatel, nem governo, apresentaram exatamente qual é o universo de domicílios com antenas parabólicas a ser efetivamente contemplado por uma ou outra solução de convivência. A partir de cruzamentos de pesquisas do IBGE, a projeção do estudo é de que existem 1.375.703 residências onde vive pelo menos um beneficiário do Cadastro Únicos dos programas sociais e que só tem a parabólica como recurso para acessar a TV aberta. 

Com o custo médio da mitigação com filtro estimado em R$ 162,92, conclui que essa solução custaria R$ 224,1 milhões. Já a migração, ou seja, levar a recepção das TVROs para a faixa acima de 10 GHz de forma a abrir espaço para um naco maior do 5G na banda média de 3,4 a 3,7 GHz – e portanto ocupando a recepção na chamada Banda C estendida – custaria aqueles R$ 1,8 bilhão. O valor implica em trocar kits de recepção em 4.838.405 domicílios, pelo custo médio de R$ 362. 

“A migração deve ser descartada porque não fica restrita a quem sofre interferência. E o que sair como solução de interferência vai tirar recursos do 5G, na contramão do que a economia precisa hoje”, defendeu a diretora de regulação econômica da LCA, Cláudia Viegas. 

Naturalmente, a premissa básica, não mencionada no estudo, é que desta vez os filtros realmente vão funcionar – algo que não aconteceu nos testes anteriores, mas que teria obtido sucesso nos mais recentes. O relatório final da Anatel sobre eles ainda não foi divulgado, mas as operadoras garantem que agora deu tudo certo. “Os testes foram acompanhados por todos os setores envolvidos. Apesar de não haver ainda o relatório formal da Anatel, já se sabe o desempenho dos LNBFs [filtros] testados e que um modelo excedeu a especificação mínima solicitada pela Anatel”, reforçou o consultor de engenharia de telecom da diretoria de evolução tecnológica de redes da Claro, Carlos Camardella.

Nesse caso, a decisão final envolve outras considerações. “Há segurança técnica para dizer que a mitigação é possível. A questão agora não é mais técnica, indo para ordem econômica e mesmo estratégica”, emendou o pesquisador do CPqD, Marcus Manhães.


Internet Móvel 3G 4G
Deutsche Telekom investe em roaming para ser global com NB-IoT

Operadora trabalha com parcerias com outras teles como Vodafone, Orange e Telecom Italia, o que abriria, por exemplo, espaço para uma parceria no Brasil com a TIM, qu tem uma forte estratégia de Internet das Coisas.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço

Definindo-se como uma empresa de software que precisa de hardware e frequência para atuar, a Mambo Wi-Fi diz que os hotspots públicos vão crescer até nove vezes até 2022 com a liberação da faixa de 6 GHz para serviços não licenciados.

Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6

“O número de aparelhos vai crescer de forma exponencial nos próximos três anos e é interessante começar a colher benefícios o mais cedo possível”, diz o vice-presidente de Gestão de Produtos da empresa, Scott Imhoff. 

Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Amazon: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E têm um casamento perfeito com o 5G
Chile vai usar Wi-Fi 6E para a universalização do acesso à internet
Wi-Fi Alliance: é possível harmonizar serviços na faixa de 6 GHz
"Se já geramos trilhões de dólares com pouca frequência, imagina com três vezes mais espectro", diz o Wireless CTO da Intel
Cisco: demanda para Wi-Fi em toda a faixa de 6 GHz já chegou
Veja mais matérias deste especial

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.

Baigorri: Esperar demanda para exigir 5G pleno é o oposto de política pública

“O desconto no valor da frequência é uma decisão de Estado para financiar o investimento. É usar recurso público para garantir que Macapá, Boa Vista e Rio Branco tenham as mesmas funcionalidades de São Paulo”, afirma o relator do 5G na Anatel, Carlos Baigorri. 

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Maioria do Plenário acompanhou o entendimento do relator, Gilmar Mendes, de que um ordenamento unificado nacional faz parte das competências da legislação federal. Para Conexis, "STF reconheceu papel vital da conectividade".




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G