OPINIÃO

Depois do SEI: o que virá na automação dos processos?

Por Jorge Santana*
05/07/2019 ... Convergência Digital

Ao longo da última década tem crescido no Brasil um movimento em direção à digitalização de serviços públicos, mais especificamente o que se convencionou chamar de processo eletrônico, por meio de iniciativas do Governo Federal e de administrações estaduais e municipais.

O ponto de partida foi o Processo Eletrônico Nacional (PEN), iniciativa conjunta de órgãos e entidades de diversas esferas da Administração Pública, com o objetivo de construir uma infraestrutura pública de processos e documentos administrativos eletrônicos, coordenado pelo então Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (atualmente, Ministério da Economia).
   
No âmbito do PEN foi disseminado o uso do Sistema Eletrônico de Informações (SEI), desenvolvido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), um sistema de gestão de processos e documentos arquivísticos eletrônicos, com interface amigável e simplicidade de uso. Sua principal característica é a possibilidade de eliminação do papel como suporte físico para documentos institucionais, além de permitir a produção, edição, assinatura e trâmite de documentos dentro do próprio sistema, proporcionando a virtualização de processos e documentos.
   
Todos esses aspectos positivos fazem do SEI uma escolha acertada para um estágio inicial que antecede a verdadeira automação de processos, em organizações ainda sem maturidade para ter seus processos de negócio definidos e, consequentemente, mapeáveis e automatizáveis. Isso porque o SEI trabalha com trâmite aberto ou ad hoc, não sendo possível configurar o fluxo do processo (o SEI não se posiciona como uma ferramenta da classe Workflow), aspecto indispensável para permitir o efetivo gerenciamento de processos.
   
Vencida essa etapa inicial em que a flexibilidade do SEI foi útil, é chegada a hora de dar o passo seguinte em direção ao gerenciamento de processos de negócio ou BPM (Business Process Managament), uma abordagem disciplinada para identificar, desenhar, executar, documentar, medir, monitorar, controlar e melhorar processos de negócio para alcançar resultados alinhados com as metas estratégicas da organização.

A primeira geração de ferramentas para controlar atividades de processos, que antecedeu a disciplina BPM, eram os Workflows, que visavam controlar fluxos de aprovações e ações de outros sistemas, como os ERP. Com a evolução da tecnologia e o crescente foco na otimização de processos dentro das organizações, surgiu a segunda geração de ferramentas, batizadas de BPMS (Business Process Management System).Os BPMS agregam diversas funcionalidades que possibilitam modelar, controlar e monitorar a execução dos processos de negócio, de forma transversal e integrada aos sistemas legados, observando um ciclo de melhoria contínua.

Em termos práticos, o BPMS é o maestro dos processos da organização, que atua notificando os usuários sobre quando e como realizar cada atividade, evitando os comuns erros de encaminhamento e o engavetamento de processos, promovendo efetivo controle do trâmite e facilitando o acompanhamento do fluxo de trabalho. Por outro lado, a padronização do fluxo processual garante a execução de maneira contínua e sem erros, além de reduzir a dependência das pessoas que antes agiam como os donos dos processos.
   
De todos os benefícios auferidos pela adoção da abordagem BPM e pela automação dos processos de negócio em organizações públicas - tais como redução de custos, racionalização da gestão e aumento da transparência - o maior de todos é a satisfação do cidadão, razão de ser dos governos, cuja eficiência tem sido cada vez mais cobrada pela sociedade.

A larga abrangência mencionada não significa que adotar BPM tenha que ser algo complexo, custoso e demorado. O mercado oferece uma grande diversidade de plataformas BPMS, algumas simples e versáteis, parte delas já adotando o modelo SaaS (Software as a Service), além de satisfatória oferta de empresas e profissionais especializados em modelagem e automação de processos com o enfoque BPM.  Como em todo processo de contratação cabe, naturalmente, adotar critérios que garantam a aquisição do BPMS e dos serviços associados compatíveis com a demanda e a maturidade da organização, evitando aquisições desnecessariamente complexas e onerosas.

*Jorge Santana é CEO da INFOX Tecnologia da Informação Ltda



Carreira
Déficit de mão de obra na América Latina será de 570 mil profissionais em 2020

Empresas da região vão investir nas tecnologias da terceira plataforma - cloud, analytics, Inteligência Artificial - e vão requisitar cada vez mais especialistas em programação e desenvolvimento, projeta estudo da IDC América Latina.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G