Home - Convergência Digital

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 14/02/2019

Um levantamento realizado pela empresa Brands2Life, em parceria com o LinkedIn, mostra que cerca de 79% dos trabalhadores brasileiros não se candidatam à vaga de emprego que têm interesse. O principal motivo, 18% dos casos, é por medo de que o novo trabalho seja pior que o atual. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2014, 1,27 milhão de pessoas bem qualificadas e em plena idade produtiva entraram em desalento. Isto é, quando o trabalhador desiste de procurar emprego porque acha que não vai mais conseguir encontrar uma vaga.

Permanecer em uma empresa, mesmo que infeliz e sem inspiração, já foi realidade para 63% dos profissionais. Vinte e três por cento das pessoas se dizem se encontrar nesta situação atualmente, em sua maioria mulheres (68%). A apreensão por aceitar um novo cargo é a segunda maior razão (16%) que impede os brasileiros de se candidatarem a outras vagas. Em seguida, está o medo de desapontar o atual empregador (15%), o medo de rejeição e de não ser bem-sucedido (14%) e o de não ter experiência o suficiente (13%). O receio de não poder alterar a rotina para participar de processos seletivos também está no ranking, presente em 10% dos casos. É comum que os processos de seleção envolvam atividades à tarde e, muitas vezes, o profissional não quer informar ao empregador que está buscando outro trabalho.

Os dados também revelam que quanto maior a idade da pessoa, maior é a relutância para se candidatar a uma vaga. Profissionais entre 18 e 34 anos que estão infelizes no emprego atual tendem a demorar 8 meses para começar a pensar em sair. Já aqueles que têm entre 45 e 54 anos demoram, em média, 20 meses.
Em contraponto, as pessoas mais velhas tendem a ter mais confiança em suas capacidades. Cerca de um terço dos profissionais deixaram de candidatar-se a um novo emprego por falta de confiança, em sua maioria aqueles entre 18 e 34 anos (42%). Segundo a pesquisa, essa falta de confiança pode vir por apreensão de se afastar de sua zona de conforto (38%) ou até por acharem que há outros candidatos mais qualificados para o cargo (28%).

O estudo também pontua quais os maiores motivos que levam as pessoas a mudar de emprego. Como esperado, o principal é aumento de salário (43%), seguido por melhores chances de progressão de carreira na empresa (35%) e busca por novos desafios (33%).

Melhores benefícios, melhor equilíbrio entre vida pessoal e profissional e oportunidade de viajar também aparecem entre as maiores razões. O levantamento “Jobstacles” foi realizado a partir de um questionário online, com 501 brasileiras e brasileiros de todas as regiões do país, entre 25 de setembro de 2018 a 1º de outubro de 2018.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

16/05/2019
Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

10/05/2019
Startup de Curitiba cria plataforma gratuita com mais de 77 cursos diferentes

06/05/2019
Quem são os novos CIOs, CDOs e CTOs na TI brasileira?

02/05/2019
São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul lideram a busca por profissionais de TI

18/04/2019
Ciência na Escola terá R$ 100 milhões para formar cientistas

12/04/2019
O profissional do futuro de TI é alguém que ninguém conhece

09/04/2019
TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

01/04/2019
Inteligência emocional faz a diferença na escolha do profissional de TIC

01/04/2019
Brasil leva seis alunos de TICs para a semifinal mundial do Huawei ICT Competicion

08/03/2019
Igualdade de gênero é uma mentira. Mulheres vão levar 202 anos para ganhar igual aos homens

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

Entidade das empresas de TI se posiciona contrária ao PLS 317/17. que passa a exigir diploma de profissões como Analista de Sistemas, desenvolvedor, engenheiro de sistemas, analistas de redes, administrador de banco de ados, suporte e profissões correlatas.

Brasscom: É urgente incluir computação no currículo do ensino médio e fundamental no Brasil

Apenas Internet das Coisas, vai gerar uma demanda de 107 mil profissionais que não estão disponíveis no Brasil, adverte o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.

TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

Formação de mão de obra, que já sofre para atender a demanda, vai ficar longe dos 70 mil novos empregos por ano. IoT, Big Data e segurança são áreas de maior demanda.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site