Home - Convergência Digital

5G vai atrasar se teles tiverem que pagar limpeza da Banda C

Luís Osvaldo Grossmann - 15/09/2020

O presidente da Claro, José Félix, disparou fortemente contra a possível inclusão dos custos de “limpeza” da faixa de 3,6 GHz no leilão do 5G, que se acredita será realizado em algum momento de 2021. Ao participar nesta terça, 15/9, do Painel Telebrasil 2020, Félix afirmou que a escolha pela solução mais cara para mitigar as interferências entre 5G e parabólicas só beneficia as emissoras de TV. 

“Se a gente consegue mitigar com o uso de filtros essas eventuais interferências, a um custo estimado de R$ 500 milhões, por que faríamos uma migração que teria um custo estimado de R$ 3,5 bilhões? Isso representaria uma transferência de recursos públicos para a TV aberta por satélite. Tem que afastar esse risco, essa conversa, em função do lobby de empresas de radiodifusão, de migração para a banda Ku para liberar a banda C, em função do alto custo que isso representa.”

A Anatel vem repetindo que a mitigação das interferências na recepção das parabólicas é ordem do governo (Portaria 418/20, do ainda MCTIC) e que até agora os testes com os filtros mencionados pelo presidente da Claro não mostraram resultados satisfatórios. Por isso a construção do edital do 5G vai prevendo a migração dessa recepção na chamada banda C para outra fatia do espectro, a banda Ku (acima de 15 GHz). 

“A gente também enxerga um risco fortíssimo de atraso na implementação do 5G, pois uma migração dessa natureza não é uma coisa simples, demandaria muito tempo. São discussões em que se perde muito tempo no país, sem um objetivo claro, sem nenhum sentido e o resultado é que acaba não se fazendo o que tem que ser feito.”

Ele também reiterou a defesa da Claro para que o leilão 5G não traga condições especiais para pequenos prestadores – o que afeta o desenho dos lotes – e garanta pelo menos 100 MHz na faixa intermediária (3,5 GHz) para os principais atores do mercado. 

“O aproveitamento dessa tecnologia, com uma capacidade de banda maior, é muito mais eficiente. Achamos que 100 MHz é um ponto importante na questão do leilão. É o mínimo de banda para que as grandes operadoras tenham rede com boa qualidade de serviço. Esse é um ponto essencial. Esse leilão deve acontecer em condições isonômicas, sem privilégios para pequenos ou grandes. Também achamos que é importante que se tenha entre outras obrigações, a previsão do uso do espectro para a tecnologia 5G. A gente quer afastar o risco de aquisição de espectro por aventureiros ou especuladores que entrem no leilão com a intenção de revender tal espectro.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/09/2020
Economia prefere, mas não garante, leilão 5G não arrecadatório

22/09/2020
Para TIM, 5G não comporta neutralidade de rede

22/09/2020
Anatel: Crise afetou condições e preço do edital do 5G

22/09/2020
Reforma tributária é para melhorar, não para piorar

22/09/2020
Vitor Menezes, Minicom: Vamos brigar por um leilão 5G não arrecadatório

22/09/2020
Minicom se compromete a defender imposto menor para telecom na Reforma Tributária

22/09/2020
Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

22/09/2020
Oi: Concessão da telefonia fixa vai perder R$ 10 bilhões em quatro anos

21/09/2020
Comissão Europeia pede ações urgentes para ter 5G o quanto antes

17/09/2020
Telcomp vai ao STF contra leis que impedem antenas a 50 metros de residências em São Paulo

Destaques
Destaques

Claro: Sem antenas, São Paulo fica fora do 5G

CEO da Claro, Paulo Cesar Teixeira, criticou a miopia de executivos que ainda insistem em colocar restrições à implantação de antenas, como acontece na cidade de São Paulo. "5G é a grande plataforma para permitir um salto econômico mais vigoroso", advertiu.

Covid-19 não é desculpa e Brasil perde dinheiro e status ao atrasar o 5G

O mundo não vai esperar o Brasil resolver seus problemas e o 5G está acontecendo, advertiu o consultor sênior da Omdia, Ari Lopes. Governo terá de decidir se busca investimentos de longo prazo ou de curto prazo. Omdia prevê um impacto de US$ 1,1 trilhão no Brasil de 2021 a 2025.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Internet 5G traz disrupção para Telecomunicações até no modelo de negócio

Por Eduardo Grizendi*

Na RNP, estabelecemos um objetivo estratégico ambicioso – o de prover uma ciberinfraestrutura, segura, de alto desempenho e disponibilidade e, ao mesmo tempo, ubíqua, onipresente, em qualquer lugar e a qualquer hora, para nossas comunidades de educação, pesquisa e inovação.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site