GOVERNO » Legislação

Governo vai ter de se ajustar à LGPD

Luís Osvaldo Grossmann e Fabio dos Santos ... 04/11/2019 ... Convergência Digital

O governo federal avança a passos largos na digitalização de serviços públicos. Segundo a Secretaria de Governo Digital, a meta para 2019 já foi superada em setembro, com 407 novos serviços online, que prometem uma economia de R$ 1 bilhão por ano, e o plano é concluir esse processo para os 3.327 existentes até 2022. 

Nesse percurso, além das metas de digitalização e de unificação dos 1,5 mil canais web hoje existentes no ‘gov.br’, o governo quer facilitar a interoperabilidade e o cruzamento de dados dos brasileiros armazenados em diferentes bases da administração federal. A medida é alvo de críticas.

“Um dos pilares desse programa é a interoperabilidade, promover a troca de dados dentro do governo, respeitando a privacidade, para criar cadastros de referência, grandes domínios de informações do governo, de forma que não seja preciso replicar cadastros pessoais, cadastros de imóveis, cadastros de atividade econômica etc”, afirmou o secretário de Governo Digital, Luis Felipe Monteiro, em painel que debateu o tema no Futurecom 2019. 

“Não existe governo digital sem interoperabilidade. Ou os dados circulam entre os órgãos de governo, ou o cidadão é quem vai ter que correr de um lado para outro com uma certidão, um papel, um atestado na mão. O fato é que para esse cidadão estar protegido o governo tem que manter e garantir a privacidade dos dados. A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais é um avanço da sociedade brasileira que trouxe elementos concretos, inclusive de punições, para aqueles que usarem mal os dados dos brasileiros. E o governo, como um grande detentor de dados, não é o dono dos dados, os dados são dos brasileiros, mas como aquele que mantém esses dados tem que respeitar essa privacidade, proteger os dados que lá estão e interoperar da forma mais ética e eficiente possível para a boa qualidade dos serviços, com garantia da privacidade.”

O Cadastro Base do Cidadão, no entanto, gera desconfiança de entidades que atuam na defesa dos direitos digitais. Segundo reclama a Coalizão Direitos na Rede, que reúne 30 entidades, o decreto 10.046/19, que o estabeleceu, não deixa claro o respeito ao consentimento ou ao uso diverso da finalidade para qual determinado dado foi coletado. “O governo federal pode ter obtido a foto de um cidadão para uma carteira de motorista e utilizar essa imagem para medidas de reconhecimento facial, atividades totalmente distintas”, diz a Coalizão. 

Essas preocupações levaram até a criação de pelo menos três projetos de decreto legislativo (661, 673 e 675/19), apresentados pelo PDT, PCdoB e pelo PSOL, para sustar os efeitos do decreto 10.046/19, alegando risco de mau uso das informações e de vazamento dos dados. 

Segundo insistiu o secretário de Governo Digital, a possibilidade de cruzar dados é crucial para melhor atender aos cidadãos. “Queremos um governo único, integrado, em que não seja preciso navegar em labirintos e que os dados é que circulem, não o cidadão, que as APIs funcionem, que a interoperabilidade entre entes de governo funcione.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Adiamento de tributos do Simples termina em setembro

A partir de outubro voltam os prazos de recolhimento adiados como medida durante a pandemia de Covid-19.

STJ nega envio de 'Caixa de Pandora' para Justiça Eleitoral

Quarta Turma do Supertior Tribunal de Justiça autorizou, no entanto, nova perícia nos vídeos que flagraram, em 2009, empresários de tecnologia da informação pagando propina a integrantes do governo do Distrito Federal. 

MCTI e MCom vão compartilhar orçamento até 2021

Portaria interministerial foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Até junho de 2021, os recursos serão compartilhados e será criado um Centro de Custos para a divisão dos gastos entre os dois ministérios, até a definição do orçamento de 2021.

TICs ganham fôlego com retirada do pedido de urgência da reforma tributária

Decisão agrada as empresas de software e serviços e ao mercado de telecomunicações. Isso porque a proposta de unificação do PIS e da Cofins, com elevação da alíquota para 12%, seria prejudicial para o setor, que pagaria ainda mais imposto.

Governo restringe o que ministros e secretários podem falar sobre estatais

Decreto altera o Código de Conduta da Alta Administração Federal para vedar divulgação de “informação que possa causar impacto” nas ações ou relações com consumidores, mercado e fornecedores. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G