Home - Convergência Digital

App permite ao MPDFT concluir inventário de bens móveis em sete dias

Convergência Digital - Carreira
Da Redação da Abranet - 15/10/2019

O MPDFT - O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios - usou um aplicativo para fazer um levantamento de bens móveis do inventário global da instituição. Os objetos foram registrados por meio de leitor de código de barras inserido no app desenvolvido pelo órgão para smartphones. O relatório identificou 34.378 itens. Todo o processo de localização e identificação levou sete dias. Para efeito de comparação, o tempo de execução do serviço, em 2013, foi de aproximadamente 13 meses. Ao longo dos últimos anos, no entanto, foram feitos diversos ajustes operacionais e o tempo médio para a conclusão do levantamento chegava a, em média, 90 dias.

Criado pelo Núcleo de Desenvolvimento de Sistemas da STI, a ferramenta consegue ler a numeração das etiquetas de patrimônio coladas nos objetos e enviar informações sobre localização, guarda e todo o histórico de movimentação do acervo para o sistema de patrimônio do MPDFT, que é capaz de gerenciar e disponibilizar os dados em tempo real.Além de substituir as 1.500 páginas da lista de patrimônio do MPDFT, a tecnologia trouxe diversas outras vantagens, entre elas, a descentralização da atividade nas unidades e a rápida localização de bens. O desenvolvimento da ferramenta não gerou custo extra à instituição. Para o secretário-geral do MPDFT, Wagner Castro, a iniciativa é inovadora e otimiza recursos públicos.

“Propõe-se para as ações de inventário uma solução informatizada, gestada sem custos por nossos talentosos servidores de TI, que preza pela transparência e impacta expressivamente na eficiência da gestão, além de contribuir para a redução de gastos e a otimização de investimentos”, destacou. “Com o aplicativo, todos os servidores do setor puderam participar do processo de inventário. Essa característica da ferramenta possibilitou maior credibilidade e celeridade. Além disso, a ferramenta gerou interação entre os integrantes da Casa”, completou o secretário de Administração adjunto e presidente da Comissão de Inventário do MPDFT, Valmir de Oliveira dos Santos.

De acordo com o subsecretário de Desenvolvimento de Sistemas da STI, Leandro Marques de Siqueira, a criação da ferramenta partiu de uma demanda interna da unidade. Segundo ele, inquietos com a situação de ter de realizar o inventário de forma manual, a equipe decidiu apresentar a ideia para a Secretaria de Patrimônio. “Com os resultados em mãos, a próxima etapa é ouvir o feedback dos usuários para saber onde precisamos melhorar. Desde já, podemos dizer que a experiência foi satisfatória. O maior ganho foi o tempo para a conclusão da tarefa”, completou.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/02/2020
Tribunal de Justiça suspende regulamentação do Uber no Rio de Janeiro

13/02/2020
Na guerra do streaming, YouTube reina absoluto com 70% da atenção nos celulares

05/02/2020
Turma do TST nega vínculo de emprego entre Uber e motorista

03/02/2020
TJSP: iFood é responsável por furto cometido em entrega

03/02/2020
Fintechs, empresas de internet e consumidores pedem ajustes em regras do Open Banking

30/01/2020
Aplicativo do governo mostra devedores da União e FGTS

24/01/2020
Com apps ecológicos, equipes do Brasil vencem concurso da NASA

16/01/2020
Distrito Federal e Paraná aderem ao Táxigov, o app de transporte do governo

14/01/2020
Distrito Federal proíbe entrada de relógios inteligentes nas prisões

13/01/2020
Startup Grudi cria plataforma de serviços para o mercado imobiliário

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site