Clicky

GESTÃO

PF, MPF e Caixa montam força-tarefa para investigar hackers no Auxílio Emergencial

Convergência Digital* ... 21/07/2020 ... Convergência Digital

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal, órgãos de persecução penal, atuarão a partir de filtros definidos conjuntamente, como forma de tratar o grande número de comunicações de fraudes no pagamento e concessão do auxílio emergencial e responsabilizar casos graves e atuações de grupos criminosos. Caixa Econômica Federal e Ministério da Cidadania farão o primeiro tratamento das informações, cruzando dados e aplicando filtros. Renda, patrimônio pessoal e participação em empresas, além de indicadores de fraudes sistêmicas, serão considerados na análise.

Nesta terça, 21/7, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse que já foram suspensas "centenas de milhares" de contas de poupança digital usadas para receber o Auxílio Emergencial. Segundo ele, "a maioria foi usada por hackers", mas haverá impacto em inocentes também. Esses deverão ir presencialmente a uma agência da Caixa para regularizar o cadastro. 

Na investigaçao, todas as comunicações de irregularidades deverão ser enviadas à Caixa Econômica Federal, que verificará se houve “fraude no pagamento” (casos em que o auxílio foi entregue a pessoa diversa, por clonagem de cartão, acesso indevido a sistemas e contas, entre outras hipóteses). Sempre que a Caixa confirmar que ocorreu fraude no pagamento, remeterá os dados à PF para que integrem a Base Nacional de Fraudes no Auxílio Emergencial (BNFAE). A ferramenta será utilizada pela PF para identificar possível atuação de grupos criminosos.

Nos casos em que a Caixa não identificar esse tipo de fraude no pagamento, enviará os dados ao Ministério da Cidadania, que verificará e triará as “fraudes na concessão”, decorrentes de pedido e recebimento por pessoas sem direito ao auxílio. Outros órgãos e entes públicos igualmente mobilizados na estratégia integrada, como Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria-Geral da União (CGU), também encaminharão ao Ministério da Cidadania os dados que obtiverem diretamente.

Segundo a estratégia integrada, os casos individuais, sem indícios de atuação organizada e sistêmica, serão encaminhados às unidades da PF para investigação pontual. Os casos envolvendo servidores civis e militares serão encaminhados aos respectivos órgãos para apuração disciplinar. Na hipótese de a sindicância demonstrar que houve fraude sem envolvimento do servidor, as informações deverão ser enviadas à Caixa para alimentação da Base Nacional da PF e investigação de atuação de organizações criminosas. Por outro lado, se a apuração interna apontar a participação do servidor na fraude, o órgão deverá comunicar o Ministério Público Federal para a adoção das providências cabíveis.

A PF e o MPF terão acesso às ferramentas de triagem e ao produto da aplicação dos filtros pela Caixa e pelo Ministério da Cidadania, para adoção de medidas no âmbito penal, podendo sugerir novos critérios e cruzamentos de dados. Além disso, o MPF receberá informações sobre a BNFAE e possíveis fraudes sistêmicas, para controle gerencial de casos e adoção das medidas penais cabíveis.

* Com informações do MPF

Carreira
Semantix oferece 100 vagas para capacitação gratuita em engenharia de dados

Voltado para programadores, analistas de dados, cientistas e engenheiros de computação que estejam interessados em ingressar no mercado na área de Engenharia para Big Data. Aulas começam no dia 19 de abril.

Receita abre canal via internet para recursos contra indeferimento do Simples

O serviço está disponível somente para os casos em que o indeferimento foi realizado pela Receita Federal, o que acontece em mais da metade dos pedidos. 

TI e Telecom são serviços essenciais e não antecipam feriados

Sindicato patronal informa que o recesso sanitário não altera a rotina operacional do segmento. Também não haverá adiantamento de feriados, o que implica em pagamento de horas extras com adicional de 100% para os empregados que trabalharem nesses dias.

Contact center: Oi Soluções e Tahto unem forças por serviços digitais

Aliança quer levar ao B2B serviços, entre outros, como big data, monitoramento de midias sociais, atendimento digital e operações de televendas.

DPO como serviço é a saída para as empresas se adequarem à LGPD

Pesquisa nacional mostra que 28,4% dos encarregados de dados atuam no modelo ‘as a service’, para um ou mais clientes. Uma em cada quatro empresas terceirizou a função. Medo de multa está fazendo as companhias agirem mais rápido.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G