Home - Convergência Digital

Coronavírus: Empresas de TI não assumem compromisso formal, mas se mobilizam para não demitir

Ana Paula Lobo - 09/04/2020

Sem um compromisso formal, a maioria das empresas de Tecnologia está se esforçando para não demitir os seus profissionais por conta da redução dos contratos e de serviços provocada pela pandemia de coronavírus, revelou o presidente-executivo da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação,
Brasscom, Sergio Paulo Gallindo, nesta quinta-feira, 09/04. A entidade comemorou os números alcançados em 2019: o setor de TICs gerou 42 mil novos postos de trabalho, chegando a 1,56 milhão de empregos.

"TI e serviços geraram 23 mil novas vagas, Telecom gerou 8 mil novas vagas e a grande surpresa foi a TI in house, feita por empresas que não são de tecnologia como os bancos e indústrias, que gerou 11 mil novas vagas. Foi um resultado que mostra a força do segmento", reforçou o presidente-executivo da Brasscom. Gallindo admitiu que a Covid-19 está obrigando a uma revisão dos planejamentos. 2020 será um ano de estagnação e a retomada em 2021 depende de quanto tempo haverá a paralisação da economia.

"Numa versão conservadora, acreditamos que a volta do crescimento será em 2022. Ainda assim, refizemos o estudo e mostramos que - mantida a desoneração da folha de pagamento, TICs vai gerar, em 2025, 198 mil novas vagas. Sem a desoneração - que tem vigência até o dia 31 de dezembro de 2020, a situação muda muito. A projeção é de uma perda de 137 mil profissionais. Será um retrocesso a 2010", afirmou.

Os números da Brasscom mostram que o Brasil chegou a quase R$ 500 bilhões de receita e representou 6,8% do Produto Interno Bruto nacional. O segmento de TI e Serviços teve uma receita de R$ 205,6 bilhões. Telecom ficou em R$ 241,5 bilhões. Já a TI in House gerou uma receita de R$ 47,6 bilhões.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/09/2020
Sem acordo, Governo consegue adiar votação da retirada dos vetos à desoneração da folha

08/09/2020
Para Brasscom, nova CPMF pode salvar 97 mil empregos em software e serviços

26/08/2020
Setor de TIC cria campanha #DesoneraBrasil nas redes sociais

16/06/2020
Laércio Cosentino, da TOTVS, assume presidência do Conselho da Brasscom

27/05/2020
Brasscom: Prorrogação da desoneração da folha gera 335 mil novos postos de trabalho em TI

14/05/2020
TI pede mais flexibilidade nas relações de trabalho durante a Covid-19

13/04/2020
Transformação Digital nacional movimentará R$ 465,6 bilhões até 2023

09/04/2020
Brasscom: Autoridade de Dados é mais importante do que novo prazo para a LGPD

09/04/2020
Coronavírus: Empresas de TI não assumem compromisso formal, mas se mobilizam para não demitir

25/03/2020
Brasscom apoia redução de salário, suspensão de contratos e pede desoneração da folha

Desafio nacional: identificar os dados efetivamente valiosos ao negócio

Pesquisa da IDC mostra que quase a metade companhias pesquisadas no Brasil admitiu ter dificuldade para encontrar talentos e recursos responsáveis pelas análises das informações.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro sem aposentadoria – qual a saída?

Por luis Macedo*

O futuro financeiro nunca foi tão incerto. A aposentadoria "oficial", pelo INSS, fica cada vez mais distante para muitas pessoas, especialmente porque o mundo do trabalho mudou. Uma alternativa para uma parcela significativa da população que não tem carteira assinada são os fundos de previdência. O problema, no entanto, é a infinidade de fundos que existem.

Destaques
Destaques

Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

Ministério Público do Trabalho elaborou uma nota técnica direcionada para as “empresas, sindicatos e órgãos da administração pública”.  Na orientação, sugere a adoção de etiqueta digital para orientação de patrões e empregados.

Dos 10% em teletrabalho no Brasil, maioria é branca, tem diploma e maior renda

Segundo o Dieese, 8,4 milhões de brasileiros trabalham de casa por conta da pandemia de Covid-19. Proporção chega a 22% dos trabalhadores em Brasília, mas não passa de 3% no Pará. 

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site