INOVAÇÃO

TCU: órgãos públicos não têm dinheiro e recursos técnicos para usar Blockchain

Convergência Digital ... 08/07/2020 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União fez levantamento para identificar áreas de aplicação das tecnologias da informação chamadas blockchain e livros-razão distribuídos (Distributed Ledger Technology - DLT) no setor público. O trabalho avaliou os principais riscos e fatores críticos de sucesso, além dos desafios para o controle.

O entendimento do TCU é que o blockchain deverá ter um efeito transformador na sociedade e nos serviços públicos por se tratar de tecnologia com potencial disruptivo devido à capacidade de digitalizar, proteger e rastrear transações sem a necessidade de uma terceira parte confiável.

“A característica descentralizadora das tecnologias blockchain e DLT pode acelerar a transformação digital do Estado, uma vez que a possibilidade de realizar transações autenticadas sem a necessidade de uma autoridade central facilita a implementação de serviços públicos digitais orientados ao cidadão”, anotou o relator do Acórdão 1613/20, Aroldo Cedraz. 

O levantamento identificou que as primeiras instituições a criarem normas relacionadas ao tema foram a Comissão de Valores Mobiliários, o Banco Central, a Receita Federal e a Agência Nacional de Aviação Civil. “O foco desses normativos está na prevenção à lavagem de dinheiro e à evasão fiscal, o que demonstra inicialmente uma preocupação das organizações com relação ao uso indevido de criptoativos”, informa o TCU. 

O uso prático ainda é restrito. “De maneira incipiente, o setor público tem adotado a tecnologia distribuída para registros públicos, identidade digital, assistência médica, comércio exterior, tokenização de moeda nacional fiduciária, programas sociais e compartilhamento de informações entre órgãos públicos”. Entre as conclusões, o TCU aponta que “a maioria absoluta das organizações públicas não tem condições técnicas de implementar a tecnologia, ou mesmo de identificar oportunidades de fazê-lo”.

No entanto, o Acórdão lista a potencial de adoção em áreas relacionadas à: 

- tributação: a tecnologia blockchain permite uma maior transparência nas transações financeiras e comerciais, reduzindo a sonegação de impostos;

- serviços de Saúde: a natureza distribuída dos dados inseridos na blockchain propiciam que serviços universais, como prontuário eletrônico, sejam disponibilizados de uma maneira segura, transparente e de fácil acesso pelos atores que participam do processo;

- identidades Digitais: com a blockchain, os governos podem implementar identidades digitais para o cidadão de forma que as informações possam ser facilmente acessadas pelas autoridades, dentro de políticas de segurança estabelecidas;

- gestão de Convênios e Programas: por meio da tecnologia blockchain, os recursos financeiros podem ser tokenizados e repassados pelo poder público a outros entes, de forma que tais recursos podem ser adequadamente acompanhados pelos gestores públicos quanto à sua correta aplicação.


Cloud Computing
Por dados sensíveis, CADE ativa sala segura que custou quase R$ 4 milhões

Órgão antitruste diz que com a vigência da LGPD, a sala segura se torna ainda mais relevante para a guarda e armazenamento de informações sensíveis. A responsável pelo serviço é a ACECO TI, controlada pela Green4F no período de 20 de dezembro de 2019 a 20 de dezembro de 2020.


Fiemg lab e Fiat Chrysler automóveis (FCA) buscam startups de Supply Chain e Manufatura

Competição está com inscrições abertas até o dia 28 de outubro. Oito projetos serão selecionados e terão testes industriais em 2021.

Waze: força das comunidades e dos 50 mil voluntários fazem a diferença

A colaboração é o segredo do sucesso do Waze e estabelecer canal ativo com os clientes é missão, contou a Global Group Manager, Hila Roth.

Inovar é deixar de olhar para o próprio umbigo

Marcelo Salim, da IBM, Percival Jatobá, da Visa e Ana Leão, da Isobar, assumem que o consumidor é quem está selando o destino das marcas e com voz mais ativa.

TOTVS Techfin: Na crise, sobrevivem os mais adaptáveis às mudanças

O momento exige resiliência e perseverança, mas a crise acelerou uma jornada e colocou, de vez, o consumidor como o centro dos negócios, afirmou Eduardo Neubern, diretor-executivo da Totvs Techfin.

Empresas estão comprando tecnologia, mas não fazem a transformação digital

Sem entender o consumidor, a transformação digital simplesmente não vai acontecer, atestaram Sílvio Meira, cientista-chefe na The Digital Strategy Company; Luiz Sergio Vieira, CEO da EY Brasil, e Agenor Leão, vice-presidente de plataformas de negócios da Natura para América Latina.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G