TELECOM

Teles temem disparada no preço do leilão 5G

Ana Paula Lobo e Luís Osvaldo Grossmann ... 29/08/2019 ... Convergência Digital

Vai às nuvens o preço do leilão 5G, que a Anatel espera realizar em 2020. Ou assim lamentam representantes das operadoras de telecomunicações, especialmente depois de uma reunião realizada nesta quinta, 29/5, na agência reguladora, para tratar o que fazer sobre a interferência nas antenas parabólicas. 

Segundo indicaram representantes das teles que participaram da reunião, entre os planos de mitigação há alternativas propostas pelas emissoras de televisão que podem custar de R$ 10 bilhões a R$ 12 bilhões, ou pelo menos quatro vezes o que custou o processo de limpeza da faixa de 700 MHz para uso no 4G. 

O leilão deve incluir nacos das faixas de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz. Mas a encrenca mora na faixa de 3,5 GHz, fatia que a Anatel tenta licitar há 20 anos, mas que sempre esbarra na pressão dos radiodifusores por conta da potencial interferência na recepção das parabólicas. 

Novos estudos, das empresas e da Anatel, voltaram a confirmar que as parabólicas são suscetíveis a interferência de praticamente qualquer uso na vizinhança próxima (e mesmo nem tão próxima) da chamada Banda C estendida, a partir de 3,6 GHz. 

A disputa é pelo tamanho do problema. As emissoras de TV ressaltam que as antenas parabólicas são usadas em um terço das casas brasileiras. As teles entendem que é muito menos, seja porque o número inclui lares com outros tipos de recepção de TV, ou porque a implantação da TV Digital reduziu significativamente a dependência das antenas. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

Proposta de leilão de 15 posições orbitais entrará em consulta pública por 20 dias. Mas como aumentou o prazo das atuais licenças dessas empresas, foi preciso alterar o edital. 

Orquestração de rede 5G é prioridade da Ciena

Fabricante descarta uma produção local no curto prazo, mas se surgirem oportunidades, a avaliação será feita, conta o gerente geral da Ciena no Brasil, Fernando Capella.

American Tower: "Seguimos olhando todo ativo compartilhável"

O CEO da companhia, Flavio Cardoso, diz que o investimento redundante em fibra óptica por conta do 5G não é eficiente e que é preciso pensar na economia comparitlhada. "Nós queremos ser os gestores desses ativos para evitar conflitos como o do uso dos postes nas grandes cidades."

Vivo investe em franquia para expandir rede de fibra ótica no Brasil

A estratégia envolve uma parceria com a gestora de infraestrutura American Tower e também um modelo de franquias sob a marca Terra, voltado para empresas de Internet. Vivo quer somar 1 milhão de domicílios cobertos com fibra pelos franqueados até 2021.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G