Clicky

INTERNET

PGR diz que Bolsonaro deve bloquear quem quiser em redes sociais

Convergência Digital* ... 14/09/2020 ... Convergência Digital

O Procurador Geral da República, Augusto Aras, se manifestou no Supremo Tribunal Federal no sentido de que os perfis em redes sociais do presidente Jair Bolsonaro são pessoais, não oficiais, e não estão submetidos a determinações constitucionais como o princípio da publicidade. Para Aras, Bolsonaro pode bloquear quem quiser nas redes sociais se não gostar das críticas. 

A manifestação, protocolada na sexta, 11/9, se deu em um Mandado de Segurança (MS 37.132), movido por um advogado que foi bloqueado do acesso à conta privada de Bolsonaro no Instagram. O bloqueio se deu em maio deste 2020, após o advogado postar cópia de mensagens trocadas entre o então ministro da Justiça Sérgio Moro e a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), relativos à acusação de Moro sobre a intervenção de Bolsonaro para a troca de comando na Polícia Federal em benefício pessoal. 

A ação sustenta que, “tem direito pessoal, na qualidade de cidadão, de influir, por meio da livre manifestação do seu pensamento, de forma respeitosa e democrática, nas redes sociais, inclusive na página oficial do Presidente da República”. E tenta reproduzir no Brasil a decisão da Suprema Corte dos EUA que impediu Donald Trump de bloquear críticos em suas contas em redes sociais. 

Para Augusto Aras, o Brasil não deve copiar os EUA nesse assunto. “Apesar de a conta pessoal do Presidente da República ser utilizada para informar os demais usuários da rede social acerca da implementação de determinadas políticas públicas ou da prática de atos administrativos relevantes, as publicações no Instagram não têm caráter oficial e não constituem direitos ou obrigações da Administração Pública”, sustentou o PGR junto ao STF. 

O Procurador Geral da República também argumenta que permitir o bloqueio de críticos evita a polarização política. “Essa possibilidade de bloqueio contribui inclusive para apaziguar ânimos mais acirrados, evitando a propagação de comentários desqualificadores e de discurso de ódio e a nociva polarização que atenta contra a democracia, especialmente nos ambientes político e religioso.”

E conclui sugerindo que, ao contrário de Donald Trump, que usa o twitter para nomeação de cargos, Bolsonaro apenas informa sobre essas nomeações. “Apesar de divulgar em suas redes sociais uma série de atos relacionados ao seu governo e às suas realizações políticas, essas publicações têm caráter nitidamente informativo, despido de quaisquer efeitos oficiais, o que realça o caráter privado da conta.”

* Com informações do Portal Migalhas


Revista Abranet 33 . jan-mar 2021
Veja a Revista Abranet nº 33
A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais impõe a contratação de um DPO (Data Protection Officer), profissional que tende a ficar cada vez mais requisitado e valorizado... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições
Opinião
Audiovisual no Brasil: oportunidades à vista
Por Anna Luiza Pires e Albuquerque de Berredo, Cristiane Sanches e Rosana Muknicka*

HelpSystems mira LGPD e investe em classificação de dados

Finalizada a incorporação dos fornecedores Titus, Boldon James e Vera, a provedora ganha presença nacional e avança no segmento de classificação de informações confidenciais.

Oi oferta 1 Giga atenta a demanda dos clientes no FTTH

Operadora terá duas modalidades de oferta: banda larga + VoIP e banda larga+ IPTV. Objetivo é atrair novos consumidores para a base de clientes, revela Bernardo Winik, VP de clientes da Oi.

Fapesp abre chamada estratégica para Internet de R$ 30 milhões

Podem ser apresentadas propostas em temas como software livre, dados abertos e padrões abertos, entre outras.

Pix precisa avançar na proteção ao consumidor nas compras online

Para não ter dor de cabeça com sites fraudulentos, problemas na entrega ou cancelamento das compras feitas na Internet, o consumidor precisa ter atenção redobrada, adverte o CEO da paySmart, Daniel Oliveira.

Idec cobra ANPD, Senacon e Cade por medidas contra mudanças no WhatsApp

Entidade de defesa do consumidor alega que por não permitir consentimento, nova política de privacidade e termos de uso violam LGPD. Novo modelo da OTT está previsto para vigorar a partir do dia 15 de maio.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G