SEGURANÇA

Crimes cibernéticos: Brasil é passível de represália por não assinar Convenção de Budapeste

Ana Paula Lobo e Pedro Costa, do Rio de Janeiro ... 20/09/2019 ... Convergência Digital

O Brasil erra, e muito, ao não ser signatário da Convenção de Budapeste, que trata globalmente dos crimes cibernéticos, observa o consultor de Segurança Cibernética e professor da pós-graduação de Segurança Cibernétia da UniCarioca, Guilherme Neves. À CDTV, do portal Convergência Digital, durante o Rio Info 2019, realizado nos dias 16 e 17 de setembro, no Rio de Janeiro, o especialista foi taxativo: o Brasil sofre sério risco de represálias e pode ser punido mais à frente por países mais avançados no tema.

"Um tratado global é essencial para a proteção cibernética. O Brasil precisa assinar o quanto antes", observa Guilherme Neves. O especialista fala ainda das simulações que estão sendo feitas no Laboratório Nacional de Defesa Cibernética, localizado no Instituto Militar de Engenharia, no Rio de Janeiro, como simulação de ataques às barragens e as medidas de prevenção.

Quanto às empresas, Guilherme Neves diz que a maior parte ainda esconde os ataques sofridos, mas essa realidade vai mudar com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais. "Doer no bolso é uma medida necessária. Só assim muitos vão entender a necessidade da transparência nessa área", diz. Assistam a entrevista com Guilherme Neves.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Dell vende RSA por US$ 2,08 bi e se desfaz de mais um ativo da EMC

Empresa de Michael Dell abriu mão da unidade de segurança cibernética e repassou o controle para um consóricio liderado pela Symphony Technology Group.

Accenture compra divisão de segurança cibernética da Symantec

Os valores da transação não foram revelados. Com a aquisição a Accenture Security passa a fazer parte dos principais fornecedores de serviços de segurança gerenciados e terá a nuvem como plataforma de desenvolvimento.

Adiar a LGPD para ganhar tempo não vai resolver o problema das empresas

“Existe um viés de adiamento, mas isso não vai resolver o problema”, afirma o gerente de contas do grupo Binário, Leandro Alves.

Serpro faz a plataforma para consentimento ao uso de dados no Governo

“O governo coleta informações para usos obrigatórios, mas para outros usos precisa de consentimento”, explica o superintendente de segurança da informação da estatal, João Vieira de Almeida Junior.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G