TELECOM

Grandes teles e pequenos provedores disputam espaço no leilão do 5G

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/03/2020 ... Convergência Digital

O maior leilão de espectro do Brasil, a oferta de quase 4 mil MHz em frequências previstas no edital do 5G, revela uma série de disputas sobre o espectro ofertado. E como visto na audiência pública realizada pela Anatel nesta quinta, 12/3, nem o aumento de 100 MHz na oferta do 3,5 GHz é suficiente para o apetite do mercado. Especialmente das grandes teles. 

“A relevância da decisão sobre 5G exige muita cautela. A maior preocupação da Claro é que as oportunidades e desafios sejam iguais a todos os interessados, sem facilidades para apenas parte deles”, disparou a gerente regulatória da Claro, Monique Barros. 

“É necessário que se garanta que adquirentes da frequência estejam comprometidos com implantação de uma 5G robusta. E caso haja lotes exclusivos e com menos obrigações, o 5G estará em risco. É preciso afastar especuladores”, completou. 

Não foi a única. A Oi também partiu para o ataque contra a proposta da Anatel que prevê um lote exclusivo para prestadoras de pequeno porte – aquelas empresas com participação de mercado inferior e 5%. Assim como a Claro, a tele defendeu que todos os 400 MHz entre 3,4 GHz e 3,7 GHz sejam divididos em quatro blocos – coincidentes com as quatro grandes operadoras móveis no país.

“Um lote exclusivo a pequenos provedores pode não resultar em uso eficiente do espectro. O uso ideal do 5G seria em torno de 100 MHz para as faixa de 3,5 GHz. Portanto uma das contribuições da Oi é que sejam quatro lotes nacionais de 100 MHz com oportunidade a todas as empresas sem quaisquer restrições. Lotes pequenos não alcançam viabilidade para que seja feito o investimento”, afirmou o gerente de estratégia regulatória da Oi, Leandro Vilela.

Os pequenos reagiram. “Os provedores regionais são empresas sérias, comprometidas com investimento em banda larga no Brasil, tanto é que atualmente já têm mais de 30% do market share da banda larga fixa. Quando a Anatel estabelece um lote exclusivo, faz regulação assimétrica para viabilizar entrada de empresas, não é privilegio para aventureiros ou especuladores”, rebateu o gerente de relacionamento institucional da Abrint, Helton Posseti.

Para o presidente da Telcomp, João Moura, além de destacar que “a assimetria é importante para a participação de novos entrantes”, o próprio desenho da oferta deveria mudar. “Na faixa de 3,5 GHz, os blocos regionais deveriam ter pelo menos 80 MHz para que possa se ter um melhor aproveitamento do 5G. E na faixa de 700 MHz seria conveniente que ela fosse também segmentada por regiões e licitada logo depois do 3,5 para que fosse possível se trabalhar alternativa de combinar as duas.”


Internet Móvel 3G 4G
Caixa Tem amplia compras pelo celular e alcança 2,1 milhões de transações digitais

A partir desta sexta-feira, 29/05, os beneficiários do auxílio emergencial vão poder pagar compras em cerca de 3 milhões de estabelecimentos comerciais do País com o celular. Inicialmente o serviço está disponível nas maquininhas da bandeira Elo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Anatel discute quais dados econômicos vão ser coletados das grandes operadoras

Consulta pública sobre os indicadores econômico-financeiros está aberta por 45 dias. 

Anatel afasta redutor de multas em sanções de obrigação de fazer

Provocada pela Telefônica, prevaleceu o entendimento indicado pela AGU de que o regulamento vigente da agência não permite o uso desse incentivo fora das sanções pecuniárias.

Anatel vai discutir uso dos espectros ociosos em consulta pública

Proposta de uso do White Spaces entre frequências outorgadas é cautelosa ao prever uso em áreas rurais e regiões remotas.  Ideia é permtir o uso secundário para telefonia e banda larga em áreas rurais e regiões remotas.

Por mudança no plano de recuperação judicial, Oi adia divulgação de resultados

Operadora deveria divulgar os resultados do primeiro semestre nesta quinta-feira, 28/05, mas adiou para 15 de junho. Mas para conter especulações, Oi disse à CVM que possui R$ 6,31 bilhões no caixa.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G