GESTÃO

Cadastro dos cidadãos ganha primeiras regras e órgãos têm 90 dias para classificar dados

Luís Osvaldo Grossmann ... 20/03/2020 ... Convergência Digital

O Comitê Central de Governança de Dados, instância supervisora do cadastro unificado de dados dos cidadãos brasileiros em poder do Estado, baixou nesta sexta, 20/3, as primeiras orientações aos órgãos federais sobre como proceder na trajetória de simplificar a troca de informações entre eles. 

Como apontado expressamente na Resolução 2/2020 – a 1, também publicada nesta sexta, trata do regimento interno do Comitê – “o objetivo deste trabalho é facilitar o compartilhamento de dados dentro do governo, esclarecendo conceitos e procedimentos operacionais básicos para cumprimento do Decreto nº 10.046, de 2019”. 

Para esse objetivo, a fase atual de implantação do ‘Cadastrão’ envolve “”reduzir a ambiguidade das normas legais existentes”, “categorizar dados para facilitar o compartilhamento de dados” e “adequar os requisitos de segurança para o compartilhamento de dados”.

A primeira instrução efetiva determina que os “órgãos e às entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional (...) têm 90 dias, a partir da data de publicação desta Resolução, para categorizar seus conjuntos de informações para fins de compartilhamento de dados”.

A valiosa leitura da Resolução 2/20, disponível neste link, já indica que a tarefa não é simples. “Embora exista a interpretação de que, em face do disposto no inciso X do art. 5º da Constituição Federal, toda a informação pessoal deve ter seu acesso a restrito, isso conflita com outras normas e princípios, como o da publicidade da informação do governo, e com práticas sociais que publicam, por exemplo, resultados de provas e de concursos. É necessário fornecer orientações mais precisas aos gestores de dados para que estes possam definir se os dados sob sua gestão são públicos ou não”, aponta o documento. 

Mais complexo ainda, lembra que “as previsões de restrição de acesso a serem aplicadas também a determinadas informações são pouco detalhadas nas normas legais. A legislação apenas estabelece comandos de que determinadas informações ‘são invioláveis’, que em relação a elas se deve ‘assegurar sigilo’ ‘guardar sigilo’ e ‘assegurar a proteção da informação sigilosa e da informação pessoal’. Contudo, nenhuma dessas normas detalha o que é ser inviolável, assegurar ou guardar sigilo, ou assegurar a proteção.”

Como conclusão, o Comitê reconhece que “as informações protegidas não podem ser de livre acesso para a sociedade e o seu tratamento dentro do governo é variado. Muitas são compartilhadas regularmente, outras não. Hoje, não temos clareza sobre quais informações podem ser compartilhadas dentro do governo nem sobre como fazê-lo”.

Fica evidenciado no conjunto de considerações e instruções da Resolução 2/20 que os órgãos públicos precisam consolidar a figura do “gestor de dados”, responsável pela classificação, integridade, segurança, compartilhamento e interlocução sobre o tema com demais esferas do governo. 

A norma repete instruções anteriores ao permitir tratamento de dados por terceiros, como empresas contratadas – mas mantendo os órgãos que as utilizem solidariamente responsáveis, ao mesmo tempo que cobra políticas de segurança da informação, análise de risco e uso de ferramentas como criptografia para a transmissão dos dados. 


Receita simplifica certificado digital online para pessoa jurídica

Segundo o Fisco, empreendedores não precisarão se deslocar a estabelecimentos físicos para obter um e-CNPJ junto à Autoridade Certificadora.

Governo recria Conselho Nacional do Consumidor e inclui Anatel

Decreto cria órgão com 15 integrantes, sendo quatro das agências de telecomunicações, aviação civil, energia e petróleo. 

Covid-19 acelerou digitalização de 200 serviços públicos

Segundo a Secretaria de Governo Digital, em 18 meses já são 800 serviços acessíveis totalmente de forma digital. 

Petrobras adota satélite de baixa órbita para reduzir tempo de transmissão de dados

Estatal contratou satélites de órbita média terrestre para reduzir em 75% a transmissão de dados. Tecnologia vai ser usada em outras oito plataformas da Petrobras, instaladas nos campos de Búzios, Lula, Berbigão e Atapu.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G