Clicky

Convergência Digital - Home

Locaweb vai às compras em SaaS

Convergência Digital
Convergência Digital - 30/10/2020

A Locaweb comprou o controle da Vindi, uma empresa de software as a service (SaaS) que processa e faz a gestão de pagamentos recorrentes, em sua terceira e maior aquisição desde o IPO, em fevereiro. Segundo o site Brazil Journal, a companhia deve pagar R$ 180 milhões pela Vindi, além de um earnout dependendo do atingimento de certas metas de receita.

A proposta já teria sido aceita por acionistas que representam 79,3% do capital da Vindi, incluindo os três fundadores liderados por Rodrigo Dantas, CEO da startup.
Fundada em 2013, a Vindi deve fechar o ano com um Total Payment Volume (TPV) de R$ 4 bilhões e já tem mais de 6 mil clientes ativos. Entre eles, estão empresas como Exame, Empiricus e Resultados Digitais.

A companhia nasceu atendendo especificamente o mercado de games e de conteúdo adulto. Com o tempo, passou a atender todo tipo de empresa de pagamentos recorrentes — de academias e escolas até empresas de SaaS e aplicativos por assinatura, passando por funerárias.Ela opera num modelo de SaaS, cobrando assinatura pelo seu software de gestão de carteira e ficando com um take rate sobre o valor transacionado na plataforma. A Vindi levantou R$ 30 milhões em duas rodadas de investimentos. A primeira foi com o Criatec II, da Crescera (antiga Bozano), e a segunda, com a Confrapar.

Com a venda confirmada, a Vindi deve complementar a oferta de soluções de pagamentos da Locaweb — que já é dona da Yapay, uma subadquirente criada em 2017 — e vai ter acesso à base de mais de 400 mil clientes recorrentes da Locaweb. A aquisição segue o modelo de crescimento da Locaweb. No mês passado, a empresa pagou R$ 22,2 milhões pela Social Miner e R$ 18,9 milhões pela Etus, aquisições que seguiram a mesma lógica de complementaridade e cross selling.

Fundada no final dos anos 90 pelos primos Gilberto Mautner e Claudio Gora, a Locaweb tem 60% da sua receita vinda de hospedagem de sites, mercado no qual é líder no país com 21,6% de share, bem à frente do segundo player, a Hostgator, com 8%; e do UOL, com 6,6%.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

"A nuvem tem de ser aberta, multicloud e não ter complexidade para os sistemas se falarem. Fizemos isso lá trás e foi um prejuízo. Não podemos errar porque nuvem é crucial no 5G", adverte Marcos Oliveira, diretor geral da Palo Alto Networks no Brasil. A empresa aposta suas fichas no 5G e num novo desenho para o mercado de segurança de redes.

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site