Clicky

Anatel: rede neutra única é um risco à competição

Ana Paula Lobo ... 30/10/2020 ... Convergência Digital

Ao participar do Futurecom Digital Week, nesta sexta-feira, 30/10, o superintentente de competição da Anatel, Abraão Balbino, sustentou que não há nenhum impedimento regulatório que impeça a atuação das redes neutras no Brasil, mas observou que agentes de mercado falam em redes neutras mantendo operação no varejo, referindo-se às operadoras de telecomunicações.

"Redes neutras só serão neutras de fato se houver uma separação efetiva do varejo e do atacado. Construir uma empresa e manter no grupo econômico de uma operadora do varejo não é exatamente uma rede neutra", observou o executivo da Anatel.

Do ponto de vista regulatório, insistiu, não há nada que impeça as redes neutras fixas ou móvel. Balbino foi além: A Anatel não vai criar solução para um problema que ainda não existe. "Uma operadora de rede neutra só terá de cumprir obrigações se tiver mais de 5% de participação de mercado", acrescentou.

O superintendente da Anatel reforçou que uma rede única, um único operador, uma única infraestrutura não estimula a competição. "Não se ache que a competição vá acontecer apenas no serviço. É claro que compartilhar é muito relevante, mas uma rede única não estimula a rivalidade que precisa existir".

O presidente-executivo da TelComp, João Moura, não citou nominalmente a Oi, mas observou que as operadoras tradicionais vislumbram atuar nos dois mercados, com a operadora de varejo como a âncora poderosa do negócio. "A rede neutra tem de ser neutra no seu DNA. Não pode ser neutra por conveniência de negócio", sustentou o executivo.

Para Abel Camargo, da American Tower, um agente de infraestrutura neutra não pode discriminar, tem de ser isonômico e estar aberta a atender qualquer prestadora e, fundamentalmente, 'jamais competir com o próprio cliente usando a sua infraestrutura'.

O executivo lembrou que o avanço da tecnologia impulsionou o conceito de compartilhamento. "´Há cinco anos não seria possível compartilhar uma rede de fibra ótica como acontece hoje. No modelo FTTH nós compartilhamosuma rede virtualizada, nós compartilhamos a luz entre várias operadoras. Na prática é a mesma fibra para diversas operadoras isso permite modelos de negócios mais eficientes", pontuou.

Para Tadeu Vianna, da Corning, Tadeu Vianna, o 5G será um grande incentivador das redes neutras e do compartilhamento no Brasil. Ele lembrou que ainda há um déficit real de infraestrutura no país, principalmente fora dos grandes centros. "Um estudo do Fórum Mundial mostra que o Brasil precisaria de R$ 60 bilhões para levar conexão para todos os brasileiros. Isso significa que temos muito por fazer", completou.


Internet Móvel 3G 4G
Bradesco é primeiro banco privado a aderir ao login único do governo

Assim como acontece com os clientes do Banco do Brasil e Banrisul, será possível acessar serviços do portal Gov.br utilizando as mesmas credenciais para o banco por meio do QR Code. As ações de transformação digital no governo serão tema do 5X5 TecSummit, que acontece de 07 a 11 de dezembro. No dia 07 de dezembro, teremos a participação do secretário de governo digital, Luis Felipe Monteiro.

Oi é única a crescer na TV paga, mercado que encolhe há seis anos sem reagir

No acumulado de janeiro a outubro de 2020, já se foram mais 660 mil acessos perdidos no segmento – e quase 5 milhões desde o pico, em 2014. 

Anatel encerra ciclo de TACs em acordo fraco com Algar

Depois de fracassar na troca de multas por investimentos com Oi, Vivo e Claro, agência contabilizou sucesso somente com a TIM e permitiu à Algar cortar mais da metade do acerto inicialmente firmado. 

Anatel renova faixa de 850 MHz para Vivo, mas nega pedido de redução de preço

Empresa renovou apelo ao regulador para que fosse aplicada a regra do preço público ou ônus de 2%, ambos abaixo do valor de mercado.

STF julga inconstitucionais leis de BA e RJ sobre créditos pré pagos e cobrança de serviços

Mais uma vez, Supremo ressaltou que, ainda que importantes ações em defesa dos consumidores, normas estaduais não podem invadir a competência privativa da União de legislar sobre telecomunicações. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G