Convergência Digital - Home

USP vai sediar centro de Inteligência Artificial do Brasil

Convergência Digital
Convergência Digital* - 07/10/2019

A IBM e a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) anunciaram a Universidade de São Paulo (USP) como instituição parceira selecionada para sediar o mais avançado Centro de Pesquisa em Engenharia em Inteligência Artificial do Brasil. As pesquisas serão aplicadas a diferentes segmentos do mercado, com focos em recursos naturais, agronegócio, meio ambiente, finanças e saúde, criando avanços científicos significativos e formando pesquisadores e profissionais em IA. O novo Centro de IA fará parte do Centro de Inovação InovaUSP, localizado na Cidade Universitária, em São Paulo. As atividades do centro estão previstas para terem início no começo de 2020.

Com financiamento de até 10 anos, IBM e FAPESP reservarão, cada uma, até US$ 500 mil anualmente para implementar o programa, que contará com avaliações periódicas das atividades do Centro. Já a USP, por sua vez, investirá até US$ 1 milhão por ano em instalações físicas, laboratórios, professores, técnicos, administradores para gerir o Centro, entre outros. A definição do cronograma de construção do espaço e outros detalhes do projeto serão definidos em acordo que deverá ser assinado até o final de 2019.

O edital anunciado publicamente teve as propostas analisadas com auxílio de especialistas internacionais, escolhidos conjuntamente pela IBM e Fapesp. Entre os critérios levados em consideração na avaliação estavam a composição adequada de equipes de pesquisadores e profissionais designados à administração e ao gerenciamento do projeto, além da elaboração de um plano de pesquisa avançado e original competitivo, tanto nacional como internacionalmente

Esta é a maior parceria do Brasil entre uma empresa de TI e o setor acadêmico para a colaboração em Inteligência Artificial (IA) e reunirá o conhecimento de cientistas, professores e estudantes para a realização de pesquisa e projetos conjuntos. O Centro de IA também será o primeiro da América Latina a fazer parte do IBM AI Horizons Network (AIHN), criado em 2016 para promover a integração e colaboração entre as principais universidades do mundo, estudantes e pesquisadores da IBM comprometidos em acelerar a aplicação de IA a alguns dos maiores desafios globais, como assistência médica, processamento e reconhecimento de imagem, aprendizado de máquina, processamento de linguagem natural e tecnologias relacionadas.

"A criação desse centro com a USP é um marco muito grande para a pesquisa no Brasil e vai permitir que tenhamos estudantes, pesquisadores e outros profissionais engajados em uma área que vem ganhando cada vez mais relevância estratégica no mundo, possibilitando que haja uma agenda científica conjunta e avanços significativos", afirma Ulisses Mello, diretor do Laboratório de Pesquisa da IBM Brasil. "Teremos também um intercâmbio de ideias bem maior com pesquisadores de todo o mundo, ampliando a solução de problemas decisivos simultaneamente para a ciência e o mercado e trazendo excelentes resultados".

Segundo Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, a colaboração será efetiva e não apenas contratação de pesquisa pela IBM. "Isso porque a IBM tem um time de pesquisadores de primeira linha em São Paulo, além de pesquisadores em outras localidades. Já o plano apresentado pela USP alia pesquisa na fronteira do conhecimento, e de interesse da IBM, com a formação de recursos humanos, tão necessários para o desenvolvimento do Brasil", ressaltou.

Já de acordo com Fabio Gagliardi Cozman, diretor do Centro de IA e professor da USP, o projeto tem como objetivo levar a pesquisa em inteligência artificial a um novo patamar. "Pretendemos que as atividades do Centro contribuam para colocar o país na fronteira desta área, capacitando profissionais e empreendedores, e que fomentem o debate na sociedade sobre como usar esta tecnologia da forma mais positiva possível", comentou.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Destaques
Destaques

Eletrobras contrata Analytics para acelerar jornada digital

Estatal, responsável por 1/3 da capacidade elétrica do Brasil, quer usar os dados para manter as melhores práticas de governança e investir em IoT, chatbots e robôs.

Hospital Care vai às compras e reforça transformação digital

Com foco em fusões e aquisições no setor de saúde, a holding vem obtendo inúmeros ganhos de integração e sinergia entre as empresas adquiridas e suas diferentes soluções locais, passando a atuar por meio de um Centro de Serviços Compartilhados que provê serviços corporativos a todas as unidades do grupo. Empresa aposto no SAP S/4HANA.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site