TELECOM

Para Enel, clandestinidade é maior entrave ao uso de postes por telecom

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/06/2019 ... Convergência Digital

Um dos principais problemas para a expansão das redes de telecomunicações nas grandes cidades é como resolver o uso dos postes do setor elétrico como estruturas de suporte aos cabos, cada vez mais de fibras ópticas. E para quem detém os postes, a experiência já indicou que nem cortar os cabos resolve. O caminho seria o compartilhamento dos cabos. 

“As operadoras têm que ocupar apenas um ponto, manter identificados os fios, seguir plano de ocupação, solicitar compartilhamento, além de regularizar pelo menos 2,1 mil postes ao ano. Hoje, a clandestinidade é conveniente. Não há responsabilização. Cada um coloca sua rede no poste e esquece do resto”, afirma o diretor de regulação mercado Enel, antiga Eletropaulo, Sidney Simonaggio. 

Segundo ele, no caso específico da empresa paulista há pelo menos 300 operadoras competindo por espaço nos postes, mas somente cerca de 100 delas com relação contratual efetiva com a distribuidora de energia. “Para mudar e reordenar o caos, só com uma mudança radical no modelo de negócios. Se temos 8 mil operadores no país e só na nossa área cerca de 300, é preciso uma rede compartilhada única. Se cada um tiver o seu, não vai dar”, afirma. 

Mas o debate sobre o tema, promovido pelo portal Telesíntese nesta terça, 25/6, sugere que teles e empresas de energia não estão em sintonia. A Vivo sugeriu a adoção de um paliativo: estruturas que multipliquem os atuais seis pontos de fixação em cada poste para mais, até 10. Mas a proposta foi descartada pela Enel. Compartilhar mais pontos só fará que o excesso vertical vire excesso horizontal. Não vai rolar. Se o ambiente é de saturação, tem que mudar a solução. Não há regra que divida harmonicamente 6 pontos para 300 interessados”. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Aloo Telecom: Brasil precisa de um cadastro único de redes de fibra ótica

O crescimento das redes de fibra ótica é desorganizado e faltam informações disponíveis para definir onde investir e maximizar os recursos, afirma o CEO da operadora, Felipe Cansanção. Aloo Telecom analisa a participação no leilão 5G. "Nunca se vendeu tanta capacidade de espectro", adiciona o CEO.

Ufinet, da Enel, entra no mercado de rede neutra no Brasil

Chairman da empresa, Stefano Lorenzi,  assegura que Ufinet não terá vantagem no uso dos postes por ter a distribuidora elétrica como uma das acionistas. "Vamos competir igual com os outros", diz.

Falta um orquestrador para resolver o conflito do uso dos postes

"Não é falta de lei. Não é falta de resolução. É falta de agenda prioritária. Falta uma orquestração efetiva para se tentar resolver o problema", diz o diretor de estratégia e regulatório da Algar Telecom, Renato Paschoareli.

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G