Clicky

Oi aumenta dívida líquida, mas obtém resultado na estratégia de fibra

Ana Paula Lobo* ... 29/03/2021 ... Convergência Digital

A Oi encerrou 2020 com um aumento no prejuízo e queda na receita, em função do impacto da Covid-19, mesmo com o processo de venda de ativos. A receita líquida no quarto trimestre de 2020 foi de R$ 4,777 bilhões, uma queda de 2,8% no comparativo anual. Na acumulado do ano, a companhia apresentou R$ 18,776 bilhões nas receitas, redução de 6,8%, conforme relatório financeiro divulgado nesta segunda-feira, 29/03.

A fibra segue sendo o grande alvo da Oi para a sua recuperação. Ao final de dezembro, a companhia registrou 9,1 milhões de casas passadas (HP, na sigla em inglês) e 2,1 milhões de casas conectadas (HC). A receita do FTTH foi de R$ 98 milhões e, de acordo com os números da Oi, compensou o declínio do cobre no trimestre, quando apresentou receita no segmento residencial de R$ 1,626 bilhão (contra R$ 1,625 bilhão no terceiro trimestre). Outro bom resultado da Oi foi no setor corporativo. Houve um aumento de 54% na receita de TI, com R$ 194 milhões, mas no B2B a Oi registrou um declínio de 5,5% no ano - aqui também com o impacto da Covid-19 - fechando com R$ 5,226 bilhões.

A Oi apresentou um lucro de R$ 1,798 bilhão nos últimos três meses do ano (contra prejuízo de R$ 2,263 bilhões), o que não reverteu o prejuízo de R$ 10,530 bilhões no acumulado de 2020. A cifra foi maior do que a de 2019, quando a operadora teve prejuízo de R$ 9 bilhões.Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) foi de R$ 1,666 bilhão no trimestre, um aumento de 28,4%. No ano, foi de R$ 6,409 bilhões, aumento de 64,5%. A margem chegou a 34,9% no trimestre (aumento de 3,3 pontos percentuais) e 34,1% no ano (avanço de 14,8 p.p.)

A dívida líquida da operadora aumentou 36,9% e encerrou o trimestre em R$ 21,797 bilhões. A operadora afirma que o crescimento se deu por conta do impacto da covid-19, "além das incertezas fiscais e risco político no front doméstico". A operadora encerrou o ano passado com caixa disponível: R$ 4,554 bilhões no trimestre, quase o dobro (98%) de 2019; e R$ 22,622 bilhões no acumulado de 12 meses, aumento de 40,9% no comparativo anual. Entre outubro e dezembro, a empresa reduziu o Capex em 12,8%, totalizando R$ 1,736 bilhão. De janeiro a dezembro, o volume de investimentos caiu 6,9%, total de R$ 7,299 bilhões.

A Oi Móvel, vendida por R$ 16,5 bilhões para Claro, TIM e Vivo e aguarda anuência da Anatel e do Cade, representou aumento de 6,3% no segmento pós-pago, totalizando R$ 688 milhões nos últimos três meses do ano. Segundo a operadora, isso está em nível pré-pandemia. No total, a mobilidade pessoal sofreu queda de 3% nas receitas trimestrais, totalizando R$ 1,723 bilhão. Em 12 meses, o recuo foi de 3,8%, total de R$ 6,751 bilhões.

*Com informações da Oi na CVM


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Chamadas de fixo para móvel terão reajuste de até 10,3%

Percentuais autorizados pela Anatel variam de acordo com cada operadora. Os menores foram para a Algar (3,1%), e os maiores para a Oi. 

TIM: Oi móvel é uma operação de venda para resolver um problema do setor

O vice-presidente da TIM, Mario Girasole, diz que os questionamentos fazem parte do rito. "Nós estamos resolvendo um problema de uma empresa que viveu uma situação muito crítica".

Gigantes se unem pelo OpenWiFi para contrapor o Open RAN

Quem está à frente da iniciativa é o Telecom Infra Project (TIP), também responsável pelo Open RAN para as teles celulares. O projeto OpenWifi surge com o apoio da Deutsche Telekom, Boingo e do Facebook. Lançamento oficial será no dia 12 de maio.

STF derruba lei municipal que impedia antena de celular a 100 metros de residências

Sob a justificativa de impedir exposição a campos eletromagnéticos, Lei de Valinhos (SP), de 2018, proibia infraestrutura de telecomunicações próximas a casas, parques, jardins e áreas de preservação. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G