Clicky

Oi quer ser o maior pequeno provedor do Brasil

Luís Osvaldo Grossmann ... 13/11/2020 ... Convergência Digital

A Oi prevê que até o fim de 2021 terá vendido a operação móvel, datacenters, torres e o negócio de TV paga, focando na rede de fibra e na oferta de serviços suportados pela modernização de sua rede fixa. Ao apresentar os resultados do terceiro trimestre nesta sexta, 13/11, o desempenho do FTTH foi o destaque, e a performance já começa a ser medida com base no avanço dos ISPs. Na prática, a Oi vai se firmando como o maior pequeno provedor do Brasil. 

“Com mais de R$ 400 milhões [no terceiro trimestre], a fibra já está se tornando o componente mais importante da nossa receita e representa quase 40% da base de clientes no mix de banda larga. Tivemos uma adição líquida maior que todas as [grandes] operadoras somados e praticamente adicionamos o equivalente à base dos top 3 ISPs do país”, destacou o presidente da Oi, Rodrigo Abreu. 

Entre julho e setembro, a Oi teve prejuízo de R$ 2,6 bilhões. Mesmo assim, um desempenho melhor do que um ano antes, quando as perdas chegaram a R$ 5,7 bilhões. A receita líquida, de R$ 4,64 bilhões, indica melhora sobre o pior da pandemia (+3,5% sobre o segundo trimestre), mas foi 6,2% menor que no terceiro trimestre de 2019. 

Com a divulgação da marca de 1,75 milhão de clientes com FTTH, 7,9 milhões de casas passadas e R$ 383 milhões de receitas, a fibra, no fixo, só representa menos que os ganhos com telefonia (R$ 544 milhões), tendo superado a banda larga por DSL (R$ 323 milhões) e mesmo o DTH (R$ 375 milhões). Daí a conclusão de Abreu de que foi “um trimestre excelente”. O negócio móvel faturou R$ 1,6 bilhão, mas este está praticamente vendido para a parceria entre Vivo, TIM e Claro.

“Nosso cronograma aponta para uma transição completa do modelo até o final de 2021”, afirmou o presidente da Oi, referindo-se ao cronograma de alienação das unidades mencionadas – móvel, datacenters, torres e TV (DTH). A partir daí, a confiança é que essa nova Oi será a campeã entre os pequenos provedores. 

“Temos uma excelente vantagem competitiva. Competimos tendo uma base de clientes já existente que não tem fibra (FTTC ou coaxial). Competimos com provedores de internet locais com fibra, mas temos uma estrutura de backbone e backhaul mais forte, sem os constrangimentos de tráfego dos competidores locais. E temos um forte canal de vendas que cobre todo o país”, apontou Abreu.


Internet Móvel 3G 4G
5G privado para o B2B faz Telefônica fazer teste com rede open source TIP

Apetite das teles pelo 5G empresarial fez operadora, dona da Vivo, aderir a um grupo de trabalho para desenvolver uma arquitetura mais flexível em relação às operações tradicionais. Nova infraestrutura vai incorporar o OpenRAN. Testes em laboratórios serão em Madrid. Os de campo vão acontecer em Málaga, mas a operadora não revela cronograma de datas.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Oi: fibra ótica é o chassi de suporte para Wi-Fi 6, Wi-Fi 6E e 5G

Para o VP da Oi, Carlos Eduardo Monteiro, o Brasil tem desafios a vencer para a expansão do Wi-Fi 6, como ofertar mais segurança jurídica e regulatória para os investimentos. O câmbio – já que todos os aportes e equipamentos são atrelados ao dólar – desponta como um gargalo a ser enfrentado.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

GSMA: há risco no uso do Wi-Fi 6E em ambiente outdoor

Entidade insiste na necessidade de destinar uma parte dos 1200 MHz do espectro de 6 GHz para a oferta de serviços licenciados. "Essa faixa é mais viável para atender a demanda de espectro de banda média", afirma o diretor para a América Latina na GSMA, Lucas Gallitto.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema
Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Veja mais matérias deste especial

Integração da Oi Móvel pela TIM começa pelas frequências e tem prazo de 12 meses

Estratégica para os planos da tele no Brasil nos próximos anos, a integração dos ativos da Oi Móvel começará 'nos dias subsequentes' à aprovação do negócio, afirmou o CEO Pietro Labriola.

Anatel estima que 5G vai custar R$ 35 bilhões no Brasil

Compromissos de cobertura previstos superam os R$ 23 bilhões. Cálculos anda precisam passar pelo crivo do Tribunal de Contas da União.  Anatel também prevê investimentos de mais de R$ 80 bilhões nos próximos 20 anos.

Governo retira exclusividade da Telebras da gestão da rede privada

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, revelou que vai alterar Decreto Presidencial para dar às teles a opção de gerenciar à rede tirarando a exclusividade até então concedida à Telebras.

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G