Home - Convergência Digital

Interferência nas parabólicas pode reduzir espectro para 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 08/05/2020

A garantia de convivência do 5G com a recepção das parabólicas, exigência da política pública expressa em Portaria do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, vai implicar em medidas adicionais para evitar a interferência. Entre elas, a redução do espectro disponível para a nova tecnologia, notadamente na ‘banda média’ a partir de 3,5 GHz. 

“Para garantir a recepção satelital pode ser necessário não só uma combinação de melhores filtros, mas uma definição de faixa de guarda, uma portadora menor, além de outras soluções específicas, como diminuição de potencia 5G, distanciamento, instalação de anteparos”, afirmou o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, ao tratar do edital em evento online promovido pelo portal Tele.Síntese nesta sexta, 8/5. 

“Temos a questão de garantir a convivência e talvez os 100 MHz [de banda de guarda] precisem se tornar 120 MHz. Simulações que fizemos apontaram nesse sentido. Talvez precisemos de uma banda de guarda um pouco maior. E aí não necessariamente teremos os 400 MHz, mas 380 MHz ou alguma coisa nesse sentido”, completou. 

Além disso, uma das discussões à mesa prevê que a mencionada banda de guarda seja destinada para as aplicações privadas industriais, como demandam associações fabris e fornecedores de componentes. “Uma das críticas relacionadas à solução de mitigação é que ficou uma banda de guarda em faixa de espectro muito nobre, de 3,7 a 3,8 GHz. E uma forma de endereçar essa questão é destinar esses 100 MHz para aplicações industriais indoor, que portanto não gerariam interferência nos sistemas de TVRO. É uma agenda que está na agência.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

26/06/2020
Mastercard calcula alta de 75% nas vendas pela internet em maio

26/06/2020
Cenário ainda é nebuloso, mas aumenta a confiança na indústria eletroeletrônica

26/06/2020
PF caça quadrilha que teria vazado dados do presidente Bolsonaro e de mais de 200 mil servidores

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

25/06/2020
Telefone ainda é o canal preferido para reclamações sobre serviços

24/06/2020
Câmbio pressiona componentes e repasse vai chegar ao consumidor

24/06/2020
Banco Bari e Paraná Banco unem transformação digital ao Open Banking

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site