Home - Convergência Digital

Fiat Chrysler pode replicar modelo de MVNO no Brasil para carro conectado

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 02/12/2019

Dentro da estratégia de enxergar o carro como uma plataforma móvel, a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) do Brasil - quarta maior empresa do setor de automóveis, atrás da Volkswagen, da aliança Renault-Nissan-Mitsubischi e da Toytota - planeja, para breve, definir o modelo de negócio para o Brasil. "Somos uma empresa global e temos de pensar como é lá fora. Na Europa, contratamos um MVNO. Pode ser que aqui seja assim, ainda estamos definindo qual será o melhor modelo", contou o CIO da FCA para a América Latina, André Souza, em encontro com a imprensa, nesta segunda-feira, 02/12, em São Paulo.

O executivo - que relatou os passos da companhia na jornada da transformação digital - não quis adiantar muitos detalhes da estratégia de carro conectado, mas disse que é preciso pensar sempre no melhor modelo para o consumidor. "O fato que a relação do dono do carro será sempre com a concessionária. Uma infinidade de novos serviços estão por vir", reforçou Souza.

Sobre a melhor forma de conexão, Souza disse que pode ser 3G, 4G, Wi-Fi, e, claro, mais à frente, o 5G."Ser agnóstico é o melhor de tudo. O consumidor quer acessar à Internet, quer ter a conexão. Como ela chega, não é o mais relevante", pontua. Na Europa, a FCA anunciou no mês passado um acordo com a Transatel, uma MVNO francesa, para receber conectividade 4G nos 28 países da União Europeia + EFTA (Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça). O compromisso também fala na adoção do 5G quando a tecnologia estiver disponível no mercado automotivo.

Com relação à transformação digital, Souza lembra que a indústria automobilística é cobrada, agora, para ser ágil no desenho de um carro, mas que o processo tem de ser muito bem pensado uma vez que um choque desproporcional pode resultar no fracasso da estratégia. Mas o CIO admite que os prazos ficaram bem menores. "Antes tinha produto que levava quatro anos. Agora tem que sair em 24, 18, 12, seis meses. Agilidade é o nome do jogo", observa.

Na FCA, a transformação digital passa pela realização de challanges- ou hackathons internos para mobilizar as áreas de TI e de negócios. A companhia está finalizando a 5ª edição do Challanges e já houve o desenvolvimento de aplicativos funcionais. "Nossa unidade fabril em Betim, Minas Gerais, é uma cidade. E o Challanges nos permitiu em 40 dias fazer um aplicativo para monitorar horários dos ônibus e a mostrar os nossos funcionários como andar na fábrica. Parece uma coisa sem importância, mas nos trouxe um ganho enorme. Os funcionários agora descem na hora certa para pegar os ônibus. Houve aumento de produtividade", diz.

Souza lembra que o Challanges começou na área de TI, mas que foi incorporada a outras áreas de negócios. "Montamos 15 equipes que atuam como startups no desenvolvimento dos seus produtos com a mentoria dos diretores. Mobilizamos toda a empresa para participar e os resultados têm sido fantásticos", completa.

Carro como meio de pagamento

A FCA aproveitou o encontro com a imprensa para anunciar uma parceria com a Visa. Ainda não há nada de concreto, apenas a intenção de ambas as empresas trabalharem juntas para desenvolver solução de pagamento "fluida e segura" e que explore melhores meios de pagamento para os usuários, acompanhando a jornada do cliente.

O head de inovação e conectividade para a América Latina da FCA, Mateus Silveira, ressaltou que o conceito de mobilidade vai além do carro e que a solução deverá contemplar este comportamento e acompanhar o cliente aonde ele for, buscando uma solução independente do veículo. "Vamos acompanhar o consumidor e não o carro."   

Érico Fileno, diretor-executivo de inovação e design da Visa, explicou que a Visa trabalha na desconstrução do plástico, criando alternativas para realizar pagamentos, como por meio de mCommerce, NFC, peer to peer. "São novos formatos e novos meios, então, por que não pensar no carro." Visa e FCA ainda não tem um caso de uso desenhado e os executivos não especificaram um prazo para apresentar modelos a serem testados.

*Colaborou Roberta Prescott

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/03/2020
Coronavírus: Anatel suspende testes de campo do 5G na faixa de 3,5GHz

27/03/2020
GSI: Anatel deve ajustar norma de cibersegurança aos casos específicos do 5G

27/03/2020
Anatel prorroga consulta pública do edital 5G por 15 dias

27/03/2020
GSI impõe combinação entre operadoras na instalação de redes do 5G

25/03/2020
Coronavírus faz EUA adiar leilão do 5G

23/03/2020
Japão promete 5G para março, mesmo com o COVID-19

17/03/2020
China concentra 70% das conexões 5G do planeta

13/03/2020
Anatel avalia outorgas do 5G à banda larga fixa, não só telefonia móvel

12/03/2020
Empresas ainda temem impacto dos custos da interferência do 5G nas parabólicas

12/03/2020
Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Destaques
Destaques

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Bloqueio de celular pirata não impediu disparada de 344% no mercado cinza

Segundo dados da IDC Brasil, o resultado de 2019 indica que o aperto no bolso dos brasileiros foi maior que o da fiscalização. Entre os modelos mais baratos, no entanto, o mercado “paralelo” caiu. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site