Clicky

OPINIÃO

Desenvolvimento científico e tecnológico importam

Por Juarez Quadros do Nascimento*
22/01/2021 ... Convergência Digital

A escassez de investimentos em desenvolvimento científico nacional é a principal razão de dependência externa dos insumos necessários à vacina para o combate da cruel pandemia covid-19 que desafia o mundo. Não nos faltam expertise e competência para desenvolver insumos farmacêuticos não só para vacinas, mas, também, para muitos medicamentos. Somos referência mundial em programas sanitários abrangendo cerca de 30 vacinas produzidas no Brasil. Agora, ante a escassez de investimentos e falta de planejamento estratégico, dependemos de nações asiáticas para que tenhamos o insumo farmacêutico ativo (IFA) necessário à produção de vacinas contra a covid-19 para os 212 milhões de brasileiros.

O Brasil é um dos maiores mercados mundiais para medicamentos, a conviver com um grande gargalo que é a dependência de importação de fármaco-químicos, os princípios ativos na produção de remédios. Esse gargalo gera um elevado déficit na balança de pagamentos. O apoio governamental estimulou avanços na produção de medicamentos, principalmente nos genéricos, mas não houve equivalente avanço na inovação, especialmente nos biofármacos. Esses fatos já mereceram destaques no Webinar “Fármacos e a indústria farmacêutica no Brasil”, promovido pela Academia Brasileira de Ciências (15/06/2020).

Políticas setoriais dispostas em leis voltadas à ciência e tecnologia têm sido instituídas para permitir investimentos a auferir visibilidade em projetos como, por exemplo, o Genoma. Os fundos setoriais implementados ao final dos anos 90, mas constantemente contingenciados em função do déficit fiscal, não propiciam oportunidades para a execução de programas de inovação científica e tecnológica. Contudo, promovemos para o mundo instituições como a Embrapa, Instituto Butantan, Fundação Oswaldo Cruz e outras. Desenvolvemos trabalhos importantes nas áreas de medicina (com ênfase para a exportação do tratamento para portadores do vírus HIV), agricultura, petróleo e mineração.

No mundo globalizado, onde ciência e tecnologia promovem ganho de produtividade e competitividade, o Brasil com honrosos exemplos participou de corridas tecnológicas. O de maior destaque é a Embraer, uma das maiores fabricantes da aviação mundial. Os seus aviões são resultados de anos de pesquisa de seus cientistas, a maioria oriunda do Instituto Tecnológico da Aeronáutica. Também é oportuno ressaltar os desenvolvimentos com tecnologia nacional realizados pela Embrapa, Petrobras e Vale.

Apoiada no capital e na tecnologia foi histórico o relacionamento das telecomunicações com assuntos industriais. O Código Brasileiro de Telecomunicações, em 1962, já buscava promover e estimular o desenvolvimento da indústria de telecomunicações. Desde a sua criação, a Telebras contava com um Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento, que evoluiu em 1976 para uma Diretoria de Tecnologia, à qual se vinculou o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento – CPqD (uma entidade privada a partir de 1998).

Produzir componentes eletrônicos poderia ter sido a diferença entre a inserção ativa do Brasil na economia internacional e a condição de dependência tecnológica. A questão não era nova no país, pois desde os anos 70 havia tentativas de planejamento industrial. Algumas, como a reserva de mercado, foram danosas. Outras produziram resultados, como o desenvolvimento das centrais telefônicas digitais com preços abaixo dos praticados pelos fabricantes multinacionais. Essas razões motivaram a inclusão no projeto de lei de disposições que foram bem recebidas pelo Congresso Nacional e sancionadas em Leis (LGT e Funttel).

Assim, em função do que é notícia, espero que a demanda da vacina contra a Covid-19 não contagie o edital da tecnologia de 5ª geração (5G) conduzido pela Anatel. O tema é relevante e não pode, nem deve representar um ponto de desgaste que comprometa as relações diplomáticas e comerciais entre nações amigas. Sabemos que o avanço da economia chinesa nos últimos 20 anos tem por base investimentos e estímulos aos setores de infraestrutura de base, incentivos ao setor de TICs e em biotecnologia. Mediante planejamento estratégico, de longo prazo, suas empresas se tornaram referências mundiais. E o Brasil, consciente, ou inconscientemente, perdura em ser um país exportador de commodities.

Na questão 5G, deixemos a Anatel desempenhar suas competências legais e sem interferências. Isso não quer dizer que devamos abrir mão da preocupação de estabelecer políticas cibernéticas relacionadas à tecnologia 5G. A Anatel, com a força da lei que a criou, dispõe de um sábio conselho diretor e uma brilhante área técnica. O assunto é deveras importante para todos os países. Mas, prioritariamente, a hora é de negociar uma vacina para uma calamidade pandêmica sem precedentes.

Em países democráticos as instituições têm que ser fortalecidas de forma amistosa a evitar que relações pessoais prejudiquem os interesses científicos e tecnológicos nacionais. Na grande nação que é o Brasil, além de nossos pais e professores precisamos de cientistas, diálogo e entendimentos. Evitar rotas de colisão com outras nações também é preciso. Portanto, além da escassez de investimentos, há que se prestigiar os observadores, influenciadores e líderes junto às entidades de inovação e pesquisa científica, de forma ideal e real, para fomentar o bem-estar social.

No Brasil, ante a pandemia que limita a economia mundial, precisamos nos conscientizar da importância do desenvolvimento científico nacional. Todos percebemos que se trata de um fator estratégico para o nosso futuro. Mas, infelizmente, como não investimos adequadamente em desenvolvimento científico e tecnológico, precisamos de uma estratégia sofisticada perante às nações parceiras (americanas, europeias e asiáticas), porém de forma menos conflituosa e mediante negociação, para encontrar efeitos econômicos positivos para o País.

Juarez Quadros é Engenheiro Eletricista. Foi ministro de Estado das Comunicações e presidente da Anatel.


Carreira
Brasileiros admitem vazar dados em troca de benefícios pessoais

Pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa do Risco Comportamental (IPRC), em 24 empresas privadas do país, mostra que apenas 1/3 dos profissionais ouvidos têm  consciência de que o dado é um bem da organização. O restante admite não guardar sigilo das informações.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G