INTERNET

No STF, Rosa Weber vota contra bloqueio do WhatsApp e criminalização da criptografia

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/05/2020 ... Convergência Digital

Provocados pelas decisões de bloqueio do Whatsapp em todo o território nacional, começaram a ser julgadas nesta quarta, 27/5, pelo Supremo Tribunal Federal, as ações que questionam as medidas judiciais e o próprio alcance do Marco Civil da Internet, a Lei 12.965/14. 

Única a apresentar voto antes do encerramento da sessão, Rosa Weber, relatora da Ação Direta de Inconstitucionalidade 5527, defendeu ser lícito o uso de tecnologia que resguarde o sigilo das comunicações. “Seria retrocesso tornar ilegal ou limitar o uso da criptografia”, afirmou. A relatora também concluiu que o Marco Civil não permite interpretação que suporte a suspensão total do serviço de troca de mensagens. 

As ordens de bloqueio do Whatsapp em todo o país, lá em 2015/2016, foram resposta às alegações da empresa que não poderia entregar as conversas de suspeitos em investigação criminal ou grampear a troca de mensagens porque o conteúdo que circula no aplicativo é criptografado. Não por menos, o debate nas ações no Supremo foi decantado na criminalização da criptografia. 

Como resumiu nesta primeira sessão do julgamento o representante da Associação dos Magistrados Brasileiros, “qualquer meio de comunicação somente pode existir de forma válida no Brasil se dispuser de algum meio que permite ao Estado a interceptação. Quem criou um sistema inexpugnável que o modifique. Caso contrário estará fadado à ilegalidade.”

O primeiro voto no STF, no entanto, discorda dessa lógica. Rosa Weber destacou que “o avanço tecnológico renova a resposta das cortes sobre permitir espaço de incremento do poder estatal ou da privacidade individual”, com privilégio para a última. 

“Questiona-se licitude de tecnologia de proteção do sigilo, notadamente criptográficas, que torne materialmente inviável o cumprimento de comando judicial de disponibilização de conteúdo. Pode o Estado obrigar os particulares que oferecem serviço de comunicação adotarem mecanismos que assegurem acesso ao conteúdo das conversas caso determinada sua disponibilização?”, expôs a ministra.  

Para ela, não. “Desenvolvida tecnologia a garantir privacidade e oferecida como valor agregado a outros particulares, não pode o Estado compelir a oferecer serviço menos seguro e vulnerável sob o pretexto de que pode vir eventualmente usar essa vulnerabilidade artificial. Seria tornar ilegal a criptografia.”

Disse ainda que a “disseminação dela é que torna transações online mais seguras, em consequência a sociedade mais segura”, e que “enfraquecer a criptografia torna o software menos seguro a todos os usuários, além de violar liberdade de expressão e sigilo das comunicações”. 

Por fim, conclui que o Marco Civil não permite o bloqueio nacional de aplicativos como Whatsapp. “As penalidades de suspensão temporária das atividades de proibição de exercício das atividades somente podem ser impostas aos provedores de conexão e aplicações de internet nas hipóteses de descumprimento da legislação brasileira referente à coleta, guarda, armazenamento ou tratamento de dados, bem como aos direitos da privacidade, proteção dos dados pessoais e sigilo das comunicações privadas e dos registros, ficando afastada qualquer exegese que isoladamente ou em combinação com artigo sétimo, dois e três, da mesma Lei [12.965/14] estenda sua hipótese de incidência de modo a abarcar o sancionamento da inobservância de ordem judicial de disponibilização de conteúdo de comunicações passiveis de obtenção mediante fragilização deliberada dos mecanismos de proteção da privacidade inscritos na arquitetura da aplicação.”


Revista Abranet 31 . maio-julho 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
A pandemia da Covid-19 fez a rotina mudar num piscar de olhos. E coube à internet mostrar a sua força. O aumento significativo do tráfego de dados por conta do teletrabalho e do isolamento social foi uma realidade assustadora. Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

80% das vendas corporativas serão digitais até 2025

Nos próximos cinco anos, um aumento exponencial nas interações digitais entre compradores e fornecedores quebrará os modelos de vendas tradicionais. Quase 40% dos compradores preferem experiência sem vendedor.

Em parceria com CGI.br, USP cria cátedra de Internet

O acordo de 5 anos também prevê seminários, debates, publicações. CGI.br destinará R$ 2,5 milhões para bolsas de estudo e atividades. 

Oracle derrota Microsoft na disputa pela chinesa TikTok

Segundo informações do Wall Street Journal, operações do TikTok nos EUA, suspensas após China reagir com mudanças nas regras de controle, vão se transformar em "parceria tecnológica de confiança". 

PF prende homem que aplicou 1,3 mil entregas falsas pela internet

Dono de loja de informática no Paraná vendia em plataforma de comércio eletrônico e enviava caixas vazias ou com sucata há pelo menos seis meses. 

Justiça manda 'youtuber' divulgar direito de resposta para emissora de TV

Acionado pelo grupo Bandeirantes, canal bolsonarista queria publicar resposta na descrição do vídeo, mas TJSP determinou que "seja publicado em vídeo, com o mesmo destaque da matéria objeto da demanda".



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G