Home - Convergência Digital

Ericsson: entretenimento acelera a monetização do 5G

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo e Fábio dos Santos - 05/11/2019

O entretenimento é um dos aceleradores para se encontrar o melhor modelo de monetização para o 5G, assegura Georgia Sbrana, vice-presidente de Marketing, Comunicação, Inovação, Relações Institucionais e Governo para o Cone Sul da América Latina da Ericsson.

No Futurecom 2019, realizado de 28 a 31 de outubro, em São Paulo, a fabricante mostrou ao público que a nova tecnologia móvel vai muito além de smartphones mais velozes. Por meio de jogos e de uma banda conectada, com músicos em locais distintos, a Ericsson mostrou como o 5G amplifica e assegura a melhor performance para o consumidor.

"Monetizar o 5G é uma missão do ecossistema, e nós estamos mostrando que há aplicações muito próximas de nós", destacou Georgia Sbrana. Assista à entrevista com a VP de Marketing da Ericsson América Latina.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/11/2019
SAP Brasil: quem tem de cuidar dos dados são as empresas

11/11/2019
TS Shara: variação da energia no Brasil é risco para o mundo hiperconectado

11/11/2019
B2B terá papel estratégico no fomento do 5G no Brasil

07/11/2019
Ser humano faz a Aura,da Vivo, ser uma IA diferente

07/11/2019
Orquestração de rede 5G é prioridade da Ciena

07/11/2019
American Tower: "Seguimos olhando todo ativo compartilhável"

06/11/2019
NEC quer jogar o 'jogo' do 5G e entrar numa PPP para cidades inteligentes

06/11/2019
5G não vai funcionar num estalar de dedos

05/11/2019
Ericsson: entretenimento acelera a monetização do 5G

05/11/2019
Dell: o chamado para o Brasil é investir agora no edge computing

Destaques
Destaques

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

Teles não podem repetir 4G e serem engolidas pelas OTTs no 5G

“A gente não pode perder o bonde da aplicação, como aconteceu com Netflix, Spotify, Google, YouTube. Precisamos participar da cadeia de faturamento”, afirma o consultor de telecom da Claro, Carlos Alberto Camardella. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site