Home - Convergência Digital

TRT/SP rejeita cautelar das empresas de TI e cobra Convenção Coletiva 2020

Convergência Digital - 09/07/2020

Em despacho proferido no dia 6 de julho, o desembargador e vice-presidente judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 2 Região, Rafael Edson Pugliese Ribeiro, negou cabimento à tutela de urgência impetrada pelo Seprosp para que fosse prorrogada a vigência das cláusulas sociais da Convenção Coletiva de 2019, além da autorização para reposição inflacionária por parte das empresas.

A tentativa do sindicato patronal foi vista como "inusitada" pelo magistrado porque não havia processo de judicial instaurado e apenas uma tentativa de conciliação sob a égide do Tribunal. A petição formula pelo Seprosp foi feita após a frustrada tentativa de negociação coletiva em 2020 em virtude da insistência dos empregadores em oferecer aumento salarial suficiente, de não manter direitos garantidos pela Convenção e a tentativa de interferência na sustentação financeira do sindicato dos trabalhadores.

Em sua decisão, o desembargador afirmou que "a categoria econômica detém o arbítrio para aplicar os reajustes salariais que, unilateralmente, entender cabíveis, bem como prorrogar, unilateralmente, as cláusulas sociais da convenção coletiva de 2019. Fazê-lo unilateralmente, sem contar com uma convenção coletiva assinada, é a consequência que resulta da falência do diálogo, à qual ainda se anexa o inconveniente efeito da perda da segurança jurídica. Mas essa foi a vontade da parte requerente".

"O que se pode concluir é que, lamentavelmente, a entidade patronal busca a segurança jurídica que convém aos seus interesses, mas não se dispôs às concessões pacificadoras necessárias para que a mediação, ou a conciliação, fossem exitosas, frustrando os interesses contrapostos e defendidos pela entidade sindical operária", destacou.

Entenda o caso

Na primeira rodada de negociação coletiva em 17 de janeiro, após o sindicato patronal impor premissas para prosseguir com o diálogo, a comissão de negociação do Sindpd se retirou da mesa para buscar acordo diretamente com a empresas. No dia 13 de fevereiros, uma tentativa de conciliação foi realizada no TRT, reunião esta em que o Sindpd propôs a assinatura de uma Conveção Coletiva válida para empresas com até 100 funcionários, mas não houve acordo entre as partes.

A não renovação da Convenção Coletiva de 2020 coloca em situação de insegurança jurídica todas as empresas que não firmaram Acordo Coletivo diretamente com o Sindpd, uma vez que a manutenção das cláusulas sociais existentes (VR, Plano de Saúde, Auxílio Creche, entre outros) mantidas pelas empresas a partir de 1º de janeiro de 2020, por liberalidade, passam a integrar o contrato de trabalho de todos os profissionais dessas empresas.

Somente estão protegidas juridicamente as empresas que negociaram com o Sindpd acordos de aumento salarial, ampliação e manutenção dos benefícios, além da PLR, inclusive para fim de tomada de preço e participação em licitações governamentais. Entenda a decisão do desembargador e vice-presidente judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 2 Região, Rafael Edson Pugliese Ribeiro.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/05/2021
Dissídio de TI São Paulo: Patrões e empregados seguem sem acordo

04/05/2021
TRT julga dissídio coletivo de 2020 dos profissionais de TI em São Paulo

11/03/2021
Funcionários da Procergs encerram greve de 50 dias

05/03/2021
Empresa de TI é obrigada a pagar PLR depois de disputa judicial

01/02/2021
Impasse entre patrões e empregados, faz TRT/São Paulo convocar Ministério Público do Trabalho

18/01/2021
Em São Paulo, sem acordo em 2020, patrões e empregados de TI discutem Convenção 2021

18/01/2021
Trabalhadores da Procergs entram em greve por aprovação de acordo coletivo 2020

17/12/2020
Patrões e empregados de TI de São Paulo não se acertam e segue impasse sobre reajuste em 2020

14/12/2020
Dissídio de TI em São Paulo: TRT marca nova audiência de conciliação

09/10/2020
Convenção de TI São Paulo: Patrões e empregados não se entendem na Justiça

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Trabalho híbrido, cloud, segurança, 5G: como fica o mercado de TI no Brasil?

Por Mauricio Suga*

A pandemia da Covid-19 e as mudanças decorrentes dela foram grandes aceleradores da transformação digital, tanto no Brasil quanto a nível mundial. Mudamos a maneira como trabalhamos e entendemos o local de trabalho, como gerimos e nos relacionamos com equipes e, também, revisitamos as prioridades de investimentos organizacionais, sejam elas de curto ou longo prazo.

Destaques
Destaques

MP do Governo muda as regras para teletrabalho

A MP 1046/2021 diz que a infraestrutura necessária para a prestação do trabalho remoto tem de estar em contrato firmado previamente ou em até 30 dias depois da mudança do regime de trabalho.

Governo reedita redução de jornadas de trabalho e suspensão de contratos por conta da Covid-19

Programa passa a ter validade a partir desta quarta-feira, 28 de abril e terá validade de 120 dias.Trabalhador que for inserido no programa terá estabilidade de até seis meses.

TIC incorporou 59 mil novos profissionais e gerou 1,62 milhão de empregos em 2020

Apesar da adversidade econômica e social com a Covid-19, TIC manteve a empregabilidade em alta. "Respondemos à desoneração da folha de pagamentos cumprindo o que nos cabia. Gerar empregos", afirmou o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site