Clicky

Convergência Digital - Home

Com Serpro, AWS ataca duas pontas dos contratos de nuvem no governo

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 02/06/2020

A gigante global de serviços em nuvem AWS correu na frente e se posicionou em duas frentes para atender a transformação digital do governo brasileiro. De um lado, em um acordo com a Claro/Embratel, se tornou a primeira fornecedora direta em contratos acompanhados pela Secretaria de Governo Digital. E foi a primeira a se garantir na multinuvem que o Serpro passa a oferecer aos órgãos públicos. 

“Conseguimos atender muitos dos requisitos da Estratégia de Governo Digital 2020-2022 e muitos serviços poderão ser complementados e implementados usando essa parceria, pela transformação digital do governo brasileiro”, festejou nesta terça, 2/6, o diretor de setor público da AWS no Brasil, Paulo Cunha, durante apresentação online do acordo AWS/Serpro. 

O presidente do Serpro, Caio Paes de Andrade, adiantou que o objetivo é oferecer um cardápio de serviços de nuvem para os clientes, posicionando a empresa como broker. “O que o Serpro se propõe a fazer é ser um vetor importante, um pilar da transformação digital do Estado brasileiro”, afirmou. 

A AWS fornece a ‘nuvem’ que sustenta os contratos ganhos pela Claro/Embratel no que é a primeira nuvem pública do governo federal, com 23 órgãos. Mas via Serpro o potencial é até maior. Se o atendimento dos 23 órgãos em nuvem pública envolveu contratos que somam cerca de R$ 55 milhões, o acordo com o Serpro prevê até R$ 71,2 milhões em cinco anos. E segundo o diretor de operações da estatal, Antonino dos Santos Guerra, mais de uma centena de novos clientes estão em prospecção. 

Até por isso, demais fornecedores de nuvem virão para o guarda-chuva do Serpro. “Outros parceiros virão, porque a característica da nuvem de uma empresa como Serpro, de governo, é que a gente tenha mais de um parceiro para prestar o serviço. Todos os eventuais suspeitos estão à mesa. Estamos conversando com todos que tem nuvem desse nível, com alta tecnologia e segurança”, reconheceu Caio Paes de Andrade. Estão na fila acordos semelhantes com Huawei, Microsoft, Google, Oracle e IBM. 

São acordos mais ágeis, em resposta à queixa de demora dos processos pela via estatal. “O setor público, pelas regras que tem que obedecer, acaba ficando lento, e a tecnologia voando. Se não conseguirmos fazer as parcerias não vamos conseguir fazer frente aos desafios que serão colocados. Para isso é muito importante a Lei das Estatais”, explicou o presidente do Serpro. 

Firmado a partir do chamamento público aberto pela estatal ainda em 2019, os acordos são no modelo de parceria de negócios, sem licitação. Significa que Serpro e AWS, por exemplo nos termos já firmados, vão dividir as receitas a partir da venda dos serviços em nuvem. 


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site