Home - Convergência Digital

Mercado cinza de smartphones explode e cresce 500% no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 05/12/2019

O mercado cinza de smartphones explodiu e cresceu mais de 500% no Brasil em 2019, muito em função da venda de celulares importados do Paraguai em marketplaces, sem qualquer garantia ou suporte técnico. São cerca de 4 milhões de smartphones piratas contabilizados, a maior parte com origem no Paraguai, afirmou o diretor de celulares da Associação Brasileira da Indústria Elétrica Eletrônica (Abinee), Luis Claudio Carneiro, em encontro com a imprensa nesta quinta-feira, 05/12, em São Paulo.

"Tem uma marca chinesa que vende mais de 95% dos seus aparelhos de forma irregular no País. Isso afeta o segmento e nos traz lembranças ruins do passado ( o mercado cinza de PCs já foi impactante)", advertiu Carneiro. Nos números formais, o mercado de smartphone foi impactado pela crise econômica e ficou estagnado em relação a 2018. "O mercado está demorando mais a trocar de aparelho", pontuou o diretor da Abinee.

Foram produzidos 44,665 milhões de unidades. Em 2018, foram 44.554 milhões, depois de uma queda de 7% em relação a 2017.  Os feature phones aparecem com um crescimento de 23% em 2019, também por conta da crise econômica e das exportações para outros países. Os feature phones chegaram a 3.181 milhões este ano. Em 2018, eram 2536 milhões.

Ainda assim, a Abinee revela que a indústria de celulares teve crescimento nominal de 5% em receitas neste ano, embora no final de 2018 a previsão fosse de alta de 8%. Conforme os dados setoriais revelados pela entidade, o faturamento da indústria eletroeletrônica deve encerrar 2019 em R$ 154 bilhões, mas apesar do crescimento nominal de 5% na comparação com 2018 (R$ 146,1 bilhões), não houve aumento real, uma vez que a inflação do setor, segundo o Índice de Preços ao Produtor (IPP), também fechou o ano em 5%.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

03/06/2020
Covid-19: 70% das empresas da indústria eletroeletrônica não reduziram pessoal

14/05/2020
Confiança da indústria eletroeletrônica segue no menor patamar histórico

06/05/2020
Covid-19 fez produção da indústria eletroeletrônica recuar 9,1% em março

27/03/2020
Mais da metade da indústria segue sem componentes e 24% paralisaram atividades

03/03/2020
Smartphones: Huawei abre distância da Apple e se aproxima da Samsung

21/02/2020
ABINEE: Situação é grave e tende a piorar com a falta de componentes

13/02/2020
Decisão dos EUA prejudica até um terço das exportações de eletroeletrônicos do Brasil

07/02/2020
Apple é multada por reduzir desempenho de iPhones antigos

06/02/2020
Fabricantes de PCs e celulares relatam falta de componentes para produzir no Brasil

14/01/2020
Mercado cinza de celulares dispara 537% no Brasil

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site