GESTÃO

Tecnologia fica fora dos investimentos do Serpro e da Dataprev no 1º semestre

Luís Osvaldo Grossmann ... 04/08/2020 ... Convergência Digital

ATUALIZADA - O relatório semestral da secretaria de coordenação e governança das empresas estatais mostra que as principais empresas públicas de tecnologia da informação, Serpro e Dataprev, investem muito pouco do disponível nos primeiros seis meses do ano. Dos R$ 360 milhões do orçamento de investimento no período, usaram apenas 5% neste 2020. Na média, segundo o relatório, os investimentos de TI do governo foram de R$ 697 milhões, ou 17,6% do total previsto.

Especificamente no caso do Serpro, dos R$ 210 milhões previstos, a execução de 9,8 milhões até o fim de junho representou 4,7% do total. Enquanto na Dataprev, o montante de investimento alocado foi R$ 150 milhões, mas a empresa usou R$ 9,7 milhões, ou 6,5%. Segundo o Serpro, o baixo desempenho se deve à natural concentração de gastos no segundo semestre de cada ano. 

“A baixa realização verificada no 1º semestre de 2020 é recorrente, considerando que o início dos processos de contratação ocorre somente após a publicação da Lei Orçamentária Anual, no final de dezembro do ano anterior, sendo necessário cumprir todas as etapas da contratação aplicáveis ao setor público, como elaboração de projetos básicos e de editais, além da observância de prazos legais, resultando numa execução mais acentuada no 2º semestre de cada ano”, alega a estatal.

De fato, no caso do Serpro, os percentuais do primeiro semestre são baixos, mas vêm sendo reduzidos ano a ano. No ano passado, a estatal contava com R$ 198 milhões de investimento e usou R$ 10,1 milhões até junho, ou 5,1%. Em 2018, eram R$ 187 milhões para investimento, e o uso no semestre foi de 8,3%. 

Na Dataprev, a queda é ainda mais acentuada. Em 2019 a empresa tinha R$ 200 milhões para investir e executou 7,1% no primeiro semestre, ou R$ 14,1 milhões. Bem menos do que um ano antes, quando tinha também R$ 200 milhões, mas investiu R$ 53,6 milhões, ou 26,8% no mesmo período. 

Segundo a estatal, o recuo está relacionado à pandemia de Covid-19. “Houve impacto, no primeiro semestre, na execução dos investimentos da empresa e na temporalidade dos processos de contratação já em curso em função da pandemia. Grande parte dos fornecedores de área de tecnologia são de outros países, também impactados pela Covid-19”, diz a Dataprev em nota a esta Convergência Digital, indicando que haverá aumento no segundo semestre.

“Atualmente, estamos com contratações em andamento, com processos licitatórios mais longos e complexos. Portanto, o segundo semestre refletirá mais adequadamente a performance de execução do orçamento previsto, assim como ocorre anualmente na Administração Pública. Cabe informar, ainda, que investimentos em obras prediais e manutenções foram temporariamente suspensos também afetando o índice.”

O Serpro sustenta que no desempenho anual investe até mais que outras estatais.  “Os investimentos do Serpro, nos últimos 3 anos, têm sido superiores a 4% de sua receita operacional líquida e, neste ano, deverá manter o mesmo patamar. Os investimentos em 2020 deverão atingir R$ 187 milhões, representando 89% do orçamento previsto. Em 2019, conforme consta no 13º Boletim das Empresas Estatais publicado pela SEST, o Serpro realizou 60% do Orçamento de Investimento aprovado, superior à média de execução geral das estatais, que foi de 45,7%.”

* Atualizada às 17h com comunicado da Dataprev


Governo busca interesse dos órgãos federais em postos para carros elétricos

Acordo entre o governo federal e o governo do Distrito Federal já prevê a instalação de seis ‘eletropostos’, mas demanda pode aumentar esse número.

Governo chega à marca de 1 mil serviços públicos digitalizados

Desempenho mantém em curso a meta de digitalização total de 3,8 mil serviços até 2022. 

Intelit: LGPD não é um único software que vai resolver tudo

A governança do processo de dados é crucial para uma boa implementação da legislação, sustenta o CEO da Intelit, Lincoln dos Santos Pinto. Segundo ele, o atraso da grande parte das empresas decorre da falta de dinheiro e da incerteza sobre a vigência da lei.

Intelit: Compras públicas têm de abrir espaço à inovação e às startups

O CEO da prestadora de serviços de TI, Lincoln dos Santos Pinto, observa que um processo de compra pública leva em torno de seis meses, o que atrasa a inovação. Sobre a venda do Serpro e Dataprev, lembra da LGPD e defende o Estado como tutor dos dados pessoais do cidadão.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G