Clicky

INCLUSÃO DIGITAL

Com prioridade pra TVs, Anatel divide sobras de R$ 1,4 bilhão da TV Digital

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/11/2020 ... Convergência Digital

Ao fim de dois anos de intensas disputas entre emissoras de televisão e operadoras móveis, a Anatel aprovou na quinta, 26/11, a destinação das sobras de R$ 1,38 bilhão em dinheiro aportado por meio do leilão do 4G para a implantação da TV Digital no Brasil. No rateio, a vitória da radiodifusão foi completa, ao ganhar prioridade no projeto de financiar a digitalização de 1,7 mil pequenos municípios onde a transmissão continuou analógica. 

A costura, aprovada por unanimidade no Conselho Diretor da agência, foi feita pelo superintendente de competição e conselheiro substituto Abraão Balbino e Silva. Ela prevê reservar parte das sobras, R$ 297 milhões, para missões restantes e contingências eventuais da EAD, a empresa criada como braço operacional da digitalização – sendo R$ 161 milhões para pendências do processo de digitalização e R$ 136 milhões como reserva de segurança. 

Dos cerca de R$ 1 bilhão restantes, R$ 658 milhões – além de 700 mil kits de conversores digitais – serão destinados ao projeto apresentado pelas emissoras de TV, que prevê digitalizar transmissão e recepção nos 1.710 municípios menores que não foram incluídos na transição digital encerrada em 2018 – e que supostamente ficarão sem sinal nenhum a partir de 2023. 

Esse projeto tem custo total estimado em R$ 844 milhões, mas parte dos recursos só será destinada em uma segunda etapa, lá para 2022, com dinheiro que, espera-se, vai sobrar daquela reserva de contingência da EAD e de uma segunda reserva dos chamados ‘projetos adicionais’. A ideia é que não falte dinheiro para concluir a transição digital da televisão, como defendem tanto as emissoras privadas como públicas (leia-se, EBC e canais do Legislativo).

Outra parte do dinheiro será destinada ao projeto do Ministério das Comunicações (na verdade, a reciclagem de um antigo projeto do Exército e da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa) de implantar redes de fibra óptica pelo leito dos rios amazônicos. Repaginado como Programa Amazônia Integrada e Sustentável, PAIS, ele já teve duas etapas iniciais concluídas, na primeira encarnação como ‘Amazônia Conectada’, com fibras entre Manaus e Tefé. Restam oito etapas de um projeto que no todo envolve 10 mil km de fibras subaquáticas.

A proposta aprovada pela Anatel prevê a possibilidade de financiar três delas, o que custaria R$ 528 milhões, mas inicialmente será destinado dinheiro apenas para a primeira, R$ 162 milhões. O desenho prevê uma reserva de R$ 267 milhões, que prioritariamente deve complementar o projeto da radiodifusão, mas que pode sobrar para o projeto das fibras na Amazônia. Portanto, a partida é R$ 658 milhões (TV) + R$ 162 milhões (fibra) + R$ 267 milhões (reserva), somando os R$ 1,08 bilhão a serem rateados. 

O arranjo passou por unanimidade. O conselheiro Moisés Moreira, que também preside o Gired, o grupo que reúne teles e TVs e a ao qual coube indicar os projetos para uso do saldo, disse ser uma proposta “sólida e factível”. Carlos Baigorri destacou ser uma solução “de equilíbrio entre todas as partes”. Emmanoel Campelo realçou a “delicada convergência” e o presidente da agência, Leonardo Morais, festejou que o colegiado foi “sensível ao chamamento consensual”. 

Para tanto, porém, a derrota das teles móveis foi total. Elas recorreram contra os projetos indicados e o pleito foi negado. As duas propostas que apresentaram, de usar o dinheiro em suas próprias redes 4G e em bloqueadores de sinais em presídios, foram descartadas. Mas o principal revés foi na decisão da agência de manter a empresa criada pelas operadoras vencedoras do leilão dos 700 MHz em 2014, a EAD, não apenas ativa mas como responsável direta pela implantação da rede de fibra no Amazonas a ser financiada com as sobras. 

Esse ponto, por sinal, é a principal dúvida que fica com a decisão da agência. Pois resta definir como será feita a reversão à União da infraestrutura que será construída na Amazônia, além de como será a própria governança da EAD, criada por Vivo, Claro, TIM e Algar como parte das condições do leilão do 4G de 2014. A Anatel indicou que as respostas devem ser dadas pelo Ministério das Comunicações. 

Às teles, resta torcer que a compensação venha logo dobrando a esquina, com a Anatel decidindo favoravelmente a elas – em prejuízo do que querem as emissoras de TV – no custeio da mitigação de interferências do 5G nas antenas parabólicas, a ser previsto no leilão esperado para meados de 2021. 


Governo anuncia lançamento de cabo submarino entre Brasil e Europa

O cabo ligará Fortaleza a Sines, em Portugal, anunciou o ministro das Comunicações, Fabio Faria. A obra será feita pela EllaLink, que promete uma estrutura capaz de proporcionar um tráfego de dados a 72 Terabits por segundo (Tbps) e latência de 60 milissegundos. Serão lançados 6 mil quilômetros de cabos submarinos.

Em um Brasil desigual, governo digital tem de servir para todos

Como destaca o professor Silvio Meira, no Brasil onde a desigualdade aumenta, “a gente vai ter que ser muito competente para desenhar serviços que possam ser usados realmente por todo mundo e não só por quem tem acesso à conectividade".

Treze anos depois, Congresso aprova uso do Fust para inclusão digital

Texto permite uso dos recursos, cerca de R$ 1 bilhão por ano, por serviços no regime privado, como a oferta de banda larga. Mas como ressaltado na votação, como não é impositivo, haverá conflito com a PEC dos Fundos. 

Brasil tem desempenho pífio em ranking global de educação digital em cibersegurança

Levantamento mostra o País em 42º entre 50 pesquisados e avalia nível de conhecimento atual sobre risco cibernético e a relevância das iniciativas para promover educação e treinamento. 

Apenas 16% dos empregados em teletrabalho tiveram Internet paga pelos patrões

Nova pesquisa TIC Covid, do Cetic.br, reforça que a alternativa do home office se deu predominantemente entre os mais ricos e escolarizado. Apenas 20% dos patrões ofereceram aplicações de segurança.

Desigualdade econômica acentua exclusão digital do campo no Brasil

Estudo mostra que na região, 77 milhões de pessoas não tem acesso à internet. No Brasil, que puxa os índices agregados para cima, diferença é gritante entre grandes e pequenas propriedades. Levantamento mostra que 244 milhões de pessoas na AL não têm acesso à Internet.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G