" /> Governo mantém ‘cloud first’ e prepara nova licitação para reduzir datacenters - Convergência Digital - Cloud Computing
Convergência Digital - Home

Governo mantém ‘cloud first’ e prepara nova licitação para reduzir datacenters

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 30/04/2020

A nova Estratégia de Governo Digital, expressa na forma do Decreto 10.332/20, reafirma a política de ‘nuvem primeiro’, fortalecendo o que já tinha virado norma para os órgãos da administração federal com a Instrução Normativa 1, publicada em abril de 2019. A EGD lista dentre as iniciativas a migração dos serviços de pelo menos 30 órgãos até 2022, ao mesmo tempo em que prevê “otimizar” no mínimo 30 datacenters.

“Realizamos, no final de 2018, uma contratação de serviços de nuvem bastante importante, que inaugurou o uso de nuvem pelo governo. Na nossa opinião, essa contratação até o momento foi um sucesso. Tivemos grande procura dos órgãos. Mas está chegando ao final, o volume de serviços a serem contratados já está exaurindo. E obviamente precisamos dar continuidade, porque nossa estratégia é de ‘cloud first’, então queremos ir primeiro para nuvem e evitar expandir de forma desestruturada os datacenters do governo. Portanto teremos novas contratações de nuvem em futuro bem próximo”, adianta o secretário de governo digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro. 

O governo federal tem mais de 130 datacenters e segundo explica Monteiro, muitos deles não oferecem condições necessárias para continuar operando. Por isso, muita coisa vai para a nuvem ou para aqueles datacenters avaliados como de maior maturidade. 

“O governo criou infraestrutura de forma muito desestruturada, desorganizada, descoordenada talvez seja o termo. Cada órgão, cada ministério, cada agência tem seu próprio datacenter. Isso é totalmente irracional. Primeiro porque gasta muito para montar, tem custo fixo grande, gasta muito na operação, e perde sinergia e poder de escala e mobilização porque esses datacenters não se comunicam. Hoje temos mais de 130 datacenters espalhados nos órgãos federais”, diz o secretário.

Segundo ele, “há um volume pequeno de datacenters muito maduros e muito bem avaliados que devem continuar e expandir seus serviços. Mas há na base da pirâmide um volume considerável de datacenters com baixa maturidade. Eles não tem condições que consideramos essenciais no governo para suportar serviços de missão crítica. O que vamos fazer é o ‘moving’ desses datacenters com menor maturidade para datacenters com maior confiabilidade e entre eles a nuvem vai ser objeto da recepção desses serviços, dados e sistemas. Eles não atendem em qualidade, em custos, nem têm condições de escalar para receber a demanda da transformação digital.” Assistam ao trecho da entrevista com Luis Felipe Monteiro.


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Destaques
Destaques

Empresas ambicionam mais Inteligência Artificial, mas sofrem com falta de talento

Um apesquisa global da Bain mostra que três em cada empresas, instigadas pela covid-19 e a aceleração da digitalização, se preparam para investir mais em inteligência artificial e machine learning. Mas assumem que as dificuldades não são poucas.

Eneva investe R$ 3 milhões para unir gás à energia com a IA ALINE

Software, que utiliza algoritmos de machine learning, foi desenvolvido em parceria com o Instituto Tecgraf da PUC/Rio e está sendo testado no Maranhão. Próxima etapa é um projeto de pesquisa com foco na integração da produção do gás onshore com a geração de energia, o que significa usar IA em um projeto 100% conectado.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O que é o balanceamento de carga de alta disponibilidade?

Por Ivan Marzariolli *

A alta disponibilidade começa com a identificação e eliminação de pontos únicos de falha em sua infraestrutura que podem desencadear uma interrupção do serviço - por exemplo, implantando componentes redundantes para fornecer tolerância a falhas no caso de um dos dispositivos estiver com problemas.

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site