Clicky

Home - Convergência Digital

5G vai atrasar se teles tiverem que pagar limpeza da Banda C

Luís Osvaldo Grossmann - 15/09/2020

O presidente da Claro, José Félix, disparou fortemente contra a possível inclusão dos custos de “limpeza” da faixa de 3,6 GHz no leilão do 5G, que se acredita será realizado em algum momento de 2021. Ao participar nesta terça, 15/9, do Painel Telebrasil 2020, Félix afirmou que a escolha pela solução mais cara para mitigar as interferências entre 5G e parabólicas só beneficia as emissoras de TV. 

“Se a gente consegue mitigar com o uso de filtros essas eventuais interferências, a um custo estimado de R$ 500 milhões, por que faríamos uma migração que teria um custo estimado de R$ 3,5 bilhões? Isso representaria uma transferência de recursos públicos para a TV aberta por satélite. Tem que afastar esse risco, essa conversa, em função do lobby de empresas de radiodifusão, de migração para a banda Ku para liberar a banda C, em função do alto custo que isso representa.”

A Anatel vem repetindo que a mitigação das interferências na recepção das parabólicas é ordem do governo (Portaria 418/20, do ainda MCTIC) e que até agora os testes com os filtros mencionados pelo presidente da Claro não mostraram resultados satisfatórios. Por isso a construção do edital do 5G vai prevendo a migração dessa recepção na chamada banda C para outra fatia do espectro, a banda Ku (acima de 15 GHz). 

“A gente também enxerga um risco fortíssimo de atraso na implementação do 5G, pois uma migração dessa natureza não é uma coisa simples, demandaria muito tempo. São discussões em que se perde muito tempo no país, sem um objetivo claro, sem nenhum sentido e o resultado é que acaba não se fazendo o que tem que ser feito.”

Ele também reiterou a defesa da Claro para que o leilão 5G não traga condições especiais para pequenos prestadores – o que afeta o desenho dos lotes – e garanta pelo menos 100 MHz na faixa intermediária (3,5 GHz) para os principais atores do mercado. 

“O aproveitamento dessa tecnologia, com uma capacidade de banda maior, é muito mais eficiente. Achamos que 100 MHz é um ponto importante na questão do leilão. É o mínimo de banda para que as grandes operadoras tenham rede com boa qualidade de serviço. Esse é um ponto essencial. Esse leilão deve acontecer em condições isonômicas, sem privilégios para pequenos ou grandes. Também achamos que é importante que se tenha entre outras obrigações, a previsão do uso do espectro para a tecnologia 5G. A gente quer afastar o risco de aquisição de espectro por aventureiros ou especuladores que entrem no leilão com a intenção de revender tal espectro.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/01/2021
EUA querem dar a faixa de 12 GHz para o 5G

15/01/2021
Teles querem deixar migração das parabólicas para depois do leilão 5G

11/01/2021
Consumidor abre mão de acesso 5G por bateria com mais duração

05/01/2021
Brasileiro será CEO global da Qualcomm a partir de junho

18/12/2020
Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

16/12/2020
Capdeville, CTIO da TIM: "Usamos equipamentos chineses há vinte anos e não há nada que desabone a rede brasileira"

16/12/2020
TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

15/12/2020
Ceitec, no RS, tem estrutura para produzir chips 5G

11/12/2020
Algar Telecom testa OpenRAN em centro de 5G criado pela IBM, Flex e FIT

09/12/2020
Ericsson: Governos estão limitando e colocando o 5G em risco

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Edição de genes: como o 'reparo' do DNA pelo CRISPR impulsionará a Agricultura

Por Eduardo Prado*

Técnica permite o 'reparo' do DNA com altíssima precisão, o que permite, por exemplo, consertar 'mutações defeituosas' do DNA. A aparecimento da técnica deu um grande alento para o tratamento de doenças genéticas complexas. Estima-se que 6.000 doenças genéticas são causadas por mutações defeituosas, e apenas 5% delas pode ser tratada atualmente (sic!) ..


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site