Convergência Digital - Home

Serpro e Economia criam ‘Mapa de Empresas’, com Big Data das Juntas Comerciais

Convergência Digital
Convergência Digital* - 29/05/2020

O Serpro e a Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia lançaram uma ferramenta de análise de dados sobre abertura e fechamento de empresas no Brasil. Chamado ‘Mapa de Empresas’, a aplicativo permite a análise de mercados, concorrência, clientes e fornecedores por tipo de atividade econômica dos empreendimentos.

"Criamos a ferramenta para impulsionar os negócios com dados precisos. Devemos abrir todos os dados que subsidiem decisões dos empresários e do próprio governo sobre as oportunidades e desafios para empreender no país", diz o secretário especial de Desburocratização, Paulo Uebel. 

O ‘Mapa’ é fruto da integração digital empreendida pela Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim), coordenada pelo Ministério da Economia e que reúne entidades representativas das 27 Juntas Comerciais. Nas Juntas, são registradas abertura, alterações e encerramento das empresas do país. Agora, os dados regionalizados são obtidos mais rapidamente e é possível cruzá-los de forma mais organizada.

Informações extraídas do Mapa demonstram que o Brasil encerrou o 1º trimestre deste ano com 18.296.851 empresas ativas. É um saldo positivo de mais de meio milhão de empresas (no total, 554.579 a mais). Foram abertas 846.957 empresas e fechadas, no período, 292.378.

As atividades de maior crescimento foram de ‘cabeleireiros, manicure e pedicure’, com 45.397 empresas abertas; ‘comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios, com 42.864 empresas; ‘promoção de vendas’, 36.120; ‘obras de alvenaria’, 29.929; e ‘fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar’, 23.383.

A atualização do ‘Mapa de Empresas’ será mensal. "Com a solução, é possível ter rapidamente uma radiografia do mercado brasileiro", observa o presidente do Serpro, Caio Mario Paes de Andrade. "A ferramenta permite a obtenção de dados de negócios livremente, possibilitando obter insights para a tomada de decisões".


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Desafio nacional: identificar os dados efetivamente valiosos ao negócio

Pesquisa da IDC mostra que quase a metade companhias pesquisadas no Brasil admitiu ter dificuldade para encontrar talentos e recursos responsáveis pelas análises das informações.

Destaques
Destaques

Eletrobras contrata Analytics para acelerar jornada digital

Estatal, responsável por 1/3 da capacidade elétrica do Brasil, quer usar os dados para manter as melhores práticas de governança e investir em IoT, chatbots e robôs.

Hospital Care vai às compras e reforça transformação digital

Com foco em fusões e aquisições no setor de saúde, a holding vem obtendo inúmeros ganhos de integração e sinergia entre as empresas adquiridas e suas diferentes soluções locais, passando a atuar por meio de um Centro de Serviços Compartilhados que provê serviços corporativos a todas as unidades do grupo. Empresa aposto no SAP S/4HANA.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site