Clicky

Oi descarta veto do CADE à venda da Oi Móvel para TIM, Vivo e Claro

Ana Paula Lobo ... 14/01/2021 ... Convergência Digital

A Oi descarta a possibilidade de o CADE vetar a compra da Oi Móvel pelo consórcio TIM, Vivo e Claro por R$ 16,5 bilhões, conforme o leilão feito em 14 de dezembro do ano passado, mas admite que o órgão antitruste pode, sim, aplicar 'remédios' para fazer ajustes no modelo de operação proposto pelas vencedoras, afirmou a diretora financeira da Oi, Camille Faria, ao participar de live da corretora Genial nesta quinta-feira, 14/01. A executiva descartou a possibilidade de a Algar conseguir vetar a transação, como solicitou ao CADE.

Camille Faria informou que o contrato de compra e venda da Oi Móvel está em fase final de ajustes- são concedidos 30 dias úteis depois do anúncio da transação para a conclusão do documento. Superada essa etapa é que os pedidos de anuência ao órgão antitruste e à Anatel vão ser encaminhados para formalizar a venda.

"O plano de segregação regulatório e de clientes foi feito com muito cuidado para respeitar todas as regras regulatórias e de competição pelos vencedores do consórcio. Não descartamos que o CADE imponha remédios, exija ajustes, mas não vislumbramos risco de recusa ao negócio", reiterou a executiva da Oi.

Expectativa da Oi é que o CADE leve no máximo 12 meses para julgar a venda da Oi Móvel, mas a operadora também trabalha com a possibilidade de um julgamento mais rápido, até em função do próprio leilão do 5G, previsto para o primeiro semestre.

Com relação à InfraCo, a unidade de banda larga e fibra ótica, Camille Faria diz que as propostas serão recebidas até o fim de janeiro e que existe, sim, uma perspectiva de um ágio. "Devemos escolher duas para trabalharmos e a previsão é que a venda aconteça no primeiro trimestre", sinalizou. O preço mínimo imposto é de R$ 20 bilhões e o comprador ficará com 51% e com o controle da nova empresa. O Convergência Digital reproduz a íntegra da entrevista da CFO da Oi, Camille Faria à corretora Genial.


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Uso da faixa de 6 GHz avança no mundo. 2021 terá dispositivos e celulares Wi-Fi 6E

No Brasil, conselho diretor da  Anatel decide se vai destinar os 1200 MHz da faixa ao uso não licenciado, em movimento semelhante ao que já se deu nos Estados Unidos. Movimento semelhante acontece na Europa e no Oriente Médio.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

Minicom: “Queremos o 5G standalone, que é o 5G de verdade, não um 4G plus”

Ao concluir viagem à Europa e Ásia para falar com fabricantes de equipamentos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, avisou que o governo também defende a exigência do release 16 do 3GPP no leilão da quinta geração. 

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas reforçaram aos parlamentares que 5G pleno não custa mais nem atrasa implementação no Brasil.

Anatel publica regras para fim das concessões de telefonia

Regulamento de Adaptação do STFC traz prazos e procedimentos para Oi, Telefônica, Claro, Algar e Sercomtel decidirem sobre a migração do regime público para privado. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G