GOVERNO » Política Industrial

Proposta prevê crédito tributário amplo para compensar fim do IPI na Lei de Informática

Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 31/05/2019 ... Convergência Digital

A três semanas para o primeiro prazo negociado com Japão e Europa para os ajustes nos incentivos que o Brasil concede a fabricantes de eletrônicos, o governo já soltou até aqui uma dúzia de propostas de ajustes nos processos produtivos básicos de equipamentos. Mas se nesse campo o prazo tende a ser cumprido sem problemas, o debate sobre o segundo prazo, que envolve mudança na própria Lei de Informática (8.248/91), ainda precisa avançar para uma proposta consolidada a ser incluída em projeto de lei ou Medida Provisória.

O primeiro prazo vence em junho. O segundo em 31 de dezembro. E como explica o coordenador-geral de estímulo ao desenvolvimento de negócios inovadores do Ministério de Ciência e Tecnologia, Henrique Miguel, a partir de estudos do próprio MCTIC, do Ministério da Economia e de associações de fabricantes como Abinee, Abisemi e P&D Brasil, a proposta à mesa prevê um sistema mais abrangente de créditos tributários do que aquele que foi utilizado para a indústria automobilística.

“Nossa proposta é de um crédito tributário de uma forma mais ampla, um pouco diferente do que foi concedido no Rota 2030, considerando a peculiaridade das empresas. Temos grandes empresas, entre 20 e 30, que representam até 70% do total do faturamento das empresas incentivadas. Mas temos outras 600 empresas beneficiárias de pequeno e médio porte que têm uma questão chave por investirem muito mais em P&D que o percentual mínimo. Nesse conjunto tem empresas para as quais um crédito tributário no Imposto de Renda não traria nenhum benefício. Mas isso ainda está sendo levantado e explicado a todos os órgãos de governo”, diz Henrique Miguel.

Até esta sexta, 31/5, o governo já tinha publicado as 10 PPBs mais importantes para cumprir o prazo de junho – e o Diário Oficial da União trouxe outras duas, para impressoras e terminais bancários. “Aqueles processos produtivos que têm mais impacto estão sendo alterados primeiro. Os dez primeiros representam 90% do mercado e com isso a gente entende que o esforço de cumprir o acordo está sendo realizado e não devemos ter problemas”, conta o coordenador de negócios inovadores do MCTIC.

E embora já exista um esboço de proposta técnica, ele lembra que o segundo prazo envolve o fator de aprovação no Congresso Nacional. “O segundo prazo diz respeito à alteração em si da Lei de Informática para retirar o benefício que a OMC considera como indireto, que é a redução do IPI. E isso exige alteração na Lei de Informática. Só pode ser feito projeto de lei ou Medida Provisória. Esse prazo é 31 de dezembro. A partir de 1o de janeiro, então, o novo mecanismo de incentivo da Lei de Informática já deverá estar em vigor. E esse não tem como cumprir parcialmente.”

Antes de convencer parlamentares, no entanto, é preciso antes conquistar adesão interna no governo. “A equipe técnica dos ministério de Ciência e Tecnologia e a secretaria especial de indústria do Ministério da Economia está formulando as primeiras propostas de alteração. Isso começou ainda no ano passado e algumas alternativas foram estudadas. Associações da indústria também apresentaram propostas. Isso está sendo consolidado em uma proposta técnica para ser discutida nas diferentes esferas do governo. E o próprio Itamaraty vai avaliar se não resta nada potencialmente ofensivo às regras da OMC e do GATT para então submeter ao Congresso.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Coronavírus: Senado faz primeira votação a distância da história

Os senadores votaram de suas casas onde cumprem quarentena por causa do Covid-19 e aprovaram a decretação do estado de calamidade pública como forma de combate ao Covid-19.

Telebras projeta receita bruta de R$ 383,64 milhões em 2020

Na lista de venda do governo Bolsonaro, a estatal diz que o montante é uma mera previsão, uma vez que não há garantia de desempenho futuro. Em 2018, a receita líquida da Telebras ficou em R$ 199 milhões – foram R$ 73 milhões em 2017.

Relatora da nova lei das teles assume presidência da CCT no Senado

Daniella Ribeiro (PP-PB), que manteve sem alterações o projeto que se tornou a Lei 13.879/19, foi indicada pelo partido depois que o atual presidente da comissão, Vanderlan Cardoso, migrou para o PSD. "Depois do PLC 79, o que vier está fácil", disse a nova presidente. 5G está na pauta dos debates.

PGR: Há razão legal para STF julgar privatização de Serpro, Dataprev e Telebras

A Procuradoria Geral da República, em parecer dado para a ação do PDT contra a privatização das estatais de TI, admite que a inclusão delas no Plano Nacional de desestatização abre procedente para julgamento na Suprema Corte.

MPF: Governo não precisa de consentimento para cruzamento de dados

Em ação do Instituto Nacional Anísio Teixeira (INEP) contrária a entrega de dados pessoais individualizados de estudantes ao TCU, Ministério Público alega que administração não precisa de autorização dos titulares mesmo no caso de dados sensíveis. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G