SEGURANÇA

Empresas no Brasil levam oito meses para detectar ataques cibernéticos

Fernanda Angelo e Rafael Mariano ... 25/06/2019 ... Convergência Digital

Ao pensar suas estratégias de transformação digital, muitas corporações relevam as questões ligadas à proteção de dados e à segurança da informação. "Um erro de sistema que impacte a segurança pode levar uma empresa ao fim em questão de dias", alertou Yanis Stoyannis, gerente de Consultoria e Inovação de Cybersecurity da Embratel. O especialista falou sobre cibersegurança durante o CIAB Febraban 2019, realizado de 11 a 13 de junho, em São Paulo.

De acordo com Stoyannis, o grande desafio das organizações em processo de transformação digital é entender o negócio. "A segurança muitas vezes fica para depois, quando ela precisa ser tratada desde o início. No setor financeiro, temos visto muito a tendência de open banking e de bank-as-a-service (banco como serviço). Ao colocar serviços via dispositivos e aplicativos, o cuidado deve ser redobrado", advertiu.

À medida que os serviços se digitalizam e aumenta o uso dos dispositivos conectados, as violações de dados crescem exponencialmente. Segundo o especialista em segurança, em 2017, houve cerca de 200 milhões de registros de violações de dados. O número saltou para 450 milhões em 2018.

"A grande preocupação é que esses ataques são silenciosos, e as empresas demoram a perceber", afirmou Stoyannis, acrescentando que o tempo médio mundial para se detectar um ataque cibernético foi de 197 dias em 2018. "No Brasil é ainda mais preocupante: oito meses." E, depois, ainda se leva mais 100 dias para conter a invasão, segundo ele.

Em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, Stoyannis falou sobre os avanços das ameaças cibernéticas, da forma como a LGPD pode contribuir para a proteção da informação e como a Embratel vem ajudando os clientes a implementarem suas estratégias de segurança de dados e a protegerem sua infraestrutura tecnológica, especialmente em tempos de transformação digital. Assistam à entrevista.


Consciência é a maior vacina contra os riscos cibernéticos

Em tempos de home office por conta do coronavírus, o gerente de segurança do CAIS/RNP, Edilson Lima, diz que cabe ao usuário redobrar seu cuidado. "Cada um tem de fazer sua parte", afirma.

Cibercrime usa Coronavírus para roubar dados pessoais no WhatsApp

Golpe oferece suposto kit gratuito com máscara e álcool gel - a ser dado pelo Governo Federal - para atrair as pessoas mais nervosas em relação à pandemia.

RNP terá programa para formar profissionais em Segurança Cibernética

O diretor da área na Rede Nacional de Pesquisa, Emilio Nakamura, assegura que a intenção é 'acelerar a formação de novos profissionais não apenas na Academia, mas também na inovação aberta'.

GSI: Educar o cidadão é o pilar da estratégia de segurança cibernética

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República troca de marca - sai o cadeado e entra uma chave - para mostrar ao brasileiro que ações próativas são essenciais. "Não podemos atuar apenas como bombeiros nos ataques cibernéticos", afirma Ulisses Peixoto.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G