INOVAÇÃO

Indústria 4.0 aumenta produtividade das PMEs em 22% no Brasil

Convergência Digital ... 09/12/2019 ... Convergência Digital

 As tecnologias digitais da Indústria 4.0 aumentaram em 22%, em média, a produtividade de micro, pequenas e médias empresas no Brasil em um ano. O resultado foi obtido no programa-piloto Indústria Mais Avançada, executado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial com 43 empresas de 24 estados. O projeto é o primeiro a testar no Brasil, em todas as regiões do país, o impacto na produção do uso de ferramentas de baixo custo, como sensoriamento, computação em nuvem e internet das coisas.

As empresas participantes já possuíam bom índice de produtividade antes do piloto, poi tinham passado pelo Brasil Mais Produtivo. O programa do governo federal, executado pelo Senai, elevou em 52%, em média, a produtividade de três mil micro, pequenas e médias indústrias por meio de técnicas de manufatura enxuta (lean manufacturing). Após as duas etapas de atendimento de consultores do Senai, as companhias aumentaram em 85%, em média, sua capacidade de produzir sem alterar o quadro de funcionários.

“O objetivo do Senai com a experiência-piloto, chamada de Indústria mais Avançada, é refinar um método de baixo custo, alto impacto e de rápida implementação, que ajude as empresas brasileiras a se inserirem na 4ª Revolução Industrial”, explica o diretor-geral da instituição, Rafael Lucchesi. “A iniciativa do Senai prova que a Indústria 4.0 é para todos: qualquer tipo de empresa, em qualquer estado do Brasil. O resultado nacional é relevante, e, principalmente, houve ganhos significativos para todas as empresas atendidas”, completa.

Os pilotos foram realizados entre maio de 2018 e outubro de 2019 em empresas dos segmentos de Alimentos e Bebidas, Metalmecânica, Moveleiro, Vestuário e Calçados. Os especialistas do Senai instalaram sensores, que coletam dados, e coletores, que os armazenam. Em seguida, as informações eram transmitidas para a plataforma Minha Indústria Avançada (MInA), que permite acesso aos dados de produção da máquina sensoriada. Por meio de tablets e celulares, os gestores podem acompanhar, em tempo real, o desempenho da linha de produção e, com isso, ter maior controle de indicadores do processo e antecipar-se a eventuais problemas.

As empresas da região Nordeste, com aumento médio de 28,2%, foram as que mais tiveram ganhos de produtividade com o Indústria Mais Avançada. A Japastel, pequena indústria de Salvador que produz massas para pastel e pizza, por exemplo, conseguiu elevar em 32,8% sua capacidade produtiva com uso de sensores na máquina de empacotamento de pizza. A empresa já havia alcançado ganho de 100% ao passar pelo Brasil Mais Produtivo. Ou seja, ao participar das duas etapas, a companhia mais que dobrou sua produção com o mesmo time de colaboradores e sem aumentar o custo.

“A tecnologia ajudou a otimizar o tempo e diminuiu o desperdício. Com isso foi possível aumentar o lucro, pois conseguimos utilizar melhor a matéria-prima”, explica Rose Fukuhara, dona da Japastel. Ela conta que hoje tem outra percepção do que é a Indústria 4.0. “Antes eu achava que o investimento seria muito alto”, diz ela. O equipamento instalado pelo Senai em cada empresa custou até R$ 3 mil.

Os resultados do piloto também foram expressivos na região Centro-Oeste, com aumento médio de 22,44% em produtividade. Em seguida, estão empresas do Norte (22,29%), do Sudeste (18,42%) e do Sul (6,37%).


Cloud Computing
SentinelOne libera gratuitamente proteção de endpoint com IA para trabalho remoto

Solução,nativa da nuvem, serve para enfrentar a rápida disseminação do Covid-19 e ajudar empresas a manter redes seguras mesmo com os usuários em home office e usando seus próprios dispositivos.

Governo seleciona entidades para compor GT de propriedade intelectual

Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual, originalmente parte da Camex e agora sob tutela do Ministério da Economia, terá 10 representantes da sociedade civil. 

BC cria grupo de trabalho para implantar open banking até novembro

GT será formado por representantes do próprio BC, por associações de Internet como Abranet e Câmara-e.net, Febraban (grandes bancos); Abecs e Abipag (empresas de pagamentos); ABBC (bancos médios); OCB (cooperativas), ABCD e ABFintech (fintechs).

Aceleradora busca start-ups e projetos no setor de Cannabis no Brasil

The Green Hub realiza o Cannabis Thinking, para fomentar o desenvolvimento de projetos criativos. Em março, acontecerá o Demo Day.

BC contrata Dinamo Networks e faz acontecer o pagamento instantâneo

Autoridade Monetária selecionou a fornecedora brasileira para comprar 22 HSMs, voltados à segurança das transações por R$ 1,350 milhão. Todo o software usado é desenvolvido no Brasil. Nova infraestrutura pode ser a pá de cal nos cartões de débito, TEDs e DOCs.

Oi Futuro e Sebrae lançam edital de aceleração para empreendedores

Startups terão acesso a espaço de coworking e poderão ganhar prêmios de até R$ 25 mil. Iniciativa terá seis meses de duração e reúne mentorias, consultorias e workshops.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G