Home - Convergência Digital

Fazendas da Atto Sementes contratam 4G e IoT da Vivo

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 18/12/2019

A Vivo Empresas - área voltada ao segmento B2B da Telefônica Brasil, foi contratada para ficar à frente de um projeto de conectividade com a Atto Sementes, empresa produtora de sementes de soja e milheto do país. Os valores acertados entre as partes não foram revelados.

O projeto prevê cobertura móvel 4G e redes para aplicações baseadas em internet das coisas, na região de Alto das Garças - MT. A infraestrutura de conexão, além da rede móvel, inclui as redes Narrow Band IoT (NB-IoT) e Long Term Evolution for Machines (LTE-M), direcionadas para atender as reais necessidades dos clientes, garantindo aos dispositivos conectados maior autonomia de bateria e operação mais eficiente.

A conectividade ofertada cobre toda a área da Atto Sementes, situada na região de Alto Garças (Itiquira, Guiratinga e Pedra Preta) no estado do Mato Grosso, e impactará na automação, baseada em internet das coisas, de todo seu maquinário agrícola, caminhões, estações meteorológicas e pluviômetros digitais, sendo a etapa final da entrada da empresa no conceito de Fazenda 4.0, otimizando seus recursos e dando maior velocidade na tomada de decisão, o que na agricultura, é um grande diferencial para o ganho de competitividade.

Enquanto a rede NB -- IoT responde melhor por dispositivos portáteis - com aplicações de sensoriamento do clima como temperatura ambiente, humidade do solo e incidência solar, tipicamente utilizadas em estações meteorológicas - a tecnologia LTE-M apresenta melhor performance em aplicações que demandam mais mobilidade, como telemetria de maquinários agrícola como tratores, implementos, colhedoras e colheitadeiras.

Estas tecnologias, serão essenciais para suportar o grande número de dispositivos conectados previsto para os próximos anos, possibilitando que essas aplicações absorvam todas as características das novas redes, com alta autonomia de bateria, e melhor cobertura do sinal, especialmente em ambientes remotos ou longínquos.

"Nosso ecossistema digital para o agronegócio inclui soluções relacionadas à automação de sistemas de irrigação, telemetria de maquinário, controle de ganho de peso animal, soluções de controle de praga, adubação e fertilização", explica o head de Internet da Coisas, Big Data e Inovação B2B, Diego Aguiar. "Estas soluções devem atender as demandas de produtores de grãos, etanol, cultura perene, e pecuária", finaliza.

Outra vantagem se concentra no fato de as novas redes estarem integradas à Vivo Kite Plataform® - plataforma própria de gestão de dispositivos IoT da companhia. Desta forma, o cliente passa a ter uma gama de funcionalidades cruciais que darão sustentação ao volume massivo de linhas e dispositivos conectados. Dentre os principais benefícios, é possível habilitar ou desabilitar serviços, acompanhar o status das conexões em tempo real, sua localização aproximada e até mesmo evitar uma utilização indevida de um equipamento não autorizado.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/04/2020
Internet das Coisas: Quase 30% das empresas sofreram incidentes de segurança

25/03/2020
Brasil contabiliza 19% dos projetos de IoT em produção na América Latina

18/02/2020
Conexão das coisas será quase a metade dos acessos à Internet no Brasil em 2023

14/02/2020
É urgente fazer software inteligentes para avançar Internet das Coisas no Brasil

10/02/2020
Bosch usa o Tinbot, robô brasileiro, para ampliar negócios em IoT

31/01/2020
Financiamento para IoT no BNDES recebe propostas até o dia 07

22/01/2020
Vivo chega a 10 milhões de dispositivos conectados à IoT

16/01/2020
Rede de IoT da American Tower atinge 220 cidades

07/01/2020
O carro será uma Internet das Coisas

18/12/2019
Fazendas da Atto Sementes contratam 4G e IoT da Vivo

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site