Clicky

Home - Convergência Digital

Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

Convergência Digital - 23/10/2020

A internet das coisas vai obrigar as empresas a lidar com uma pluralidade de dispositivos heterogêneos, como sensores, máquinas, equipamentos, eletrodomésticos, assistentes inteligentes, objetos, robôs industriais, vestíveis e ainda tratar sistemas totalmente inovadores e diferentes do que conhecem hoje. Esse horizonte obriga novas abordagens para a segurança da informação. 

“O paradigma da proteção dos dados muda totalmente e quem não estiver preparado pode sofrer ataques, vazamento de dados, prejuízo à imagem da marcar, e é bom lembrar das multas da Lei Geral de Proteção de Dados, que já está em vigor", diz o fundador da CLM, distribuidora de Valor Agregado com foco em segurança da informação, proteção de dados, infraestrutura para data centers, Francisco Camargo.

Nesse cenário, é preciso proteger os dispositivos IoT da empresa, dos seus colaboradores, que atualmente trabalham de casa, e da população em geral para evitarmos que os dispositivos IoT se transformem em "Zumbis", que são vetores de ataque importantes.

 Dispositivos inocentes, como Impressoras conectadas, câmeras de vigilância, caixas de som conectadas, dispositivos de controle, tipo Alexa ou Siri, controle de temperatura dos aquecedores domésticos, mesmo os carros conectados, podem se transformar rapidamente em perigosos atacantes.

As recomendações primárias de segurança para dispositivos IoT são:

1. Primeira e mais importante, assim que tirar da embalagem, altere o nome de usuário e a senha padrão que vem de fábrica, antes mesmo de conectar o dispositivo à sua rede;

2. Segundo, acompanhe de perto, as atualizações do firmware (software embarcado) publicadas pelo fabricante e aplique-as assim que estiverem disponíveis

3. Certifique-se de que todas as atualizações de software / firmware para dispositivos IoT venham de uma fonte confiável, geralmente o fabricante;

4. Sempre que possível, use os mecanismos de autenticação de dois fatores disponibilizados pelos fabricantes, parecido com o do WhatsApp;

5. Se estiver desconfiando que existe um backdoor (um vazamento de dados, oculto), reinicie o equipamento e atualiza e a versão, se continuar, chame um especialista;

6. Nas organizações, uma política de rede simples, mas eficaz, é restringir o alcance do dispositivo IoT a um conjunto limitado de serviços na rede;

7. Tenha o seu antivírus, antimalware, de preferência com inteligência artificial,  sempre atualizado. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/01/2021
TIM entra na disputa pela gestão da iluminação pública com rede de IoT

17/12/2020
Teles questionam vetos do governo ao uso do FUST em inclusão digital

17/12/2020
Sancionada, isenção de taxas para internet das coisas vale a partir de 2021

03/12/2020
Provedora de IoT Cubic Telecom contrata infraestrutura da TIM para atuar no Brasil

19/11/2020
Congresso aprova isenção de taxas para internet das coisas até 2025

17/11/2020
Senado pauta PL do Fust e isenção de taxas para IoT

29/10/2020
Nova regra da Anatel reforça que IoT é valor adicionado para fugir de ICMS

23/10/2020
Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

20/10/2020
Governo dá ultimato para isenção de imposto para Internet das Coisas

16/10/2020
Empresa nacional de IoT recebe aporte da KPTL e da Wayra

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site