Clicky

Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

Ana Paula Lobo, Roberta Prescott e Pedro Costa ... 30/07/2020 ... Convergência Digital

A Anatel vai bater o martelo se as faixas de frequência de 5,925 GHz a 7,125 GHz  poderá ser integralmente usada pelas empresas de Internet como espectro não licenciado e voltado para a evolução do Wi-Fi para as versões Wi-Fi 6 e Wi-fi 6E e, mais adiante, até para a oferta 5G não licenciada, o 5G NR-U, o ‘new radio unlicensed', ainda dependente de avanço da tecnologia, ou terá 500 MHz 'reservado', até em função do próprio 5G.

Expectativa é que o tema entre em pauta nas próximas reuniões do Conselho Diretor para que se tenha a perspectiva de ter o Wi-Fi 6 em 6GHz liberado ainda em 2020, contou o superintendente de outorgas e recursos à prestação da Anatel, Vinicius Caram, ao participar nesta quinta-feira, 30/07, do eForum Wi-Fi 6, promovido pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

“Fizemos um benchmarking intenso. A área técnica já subiu proposta para o conselho diretor para a faixa ser não licenciada. Mas a decisão é dos conselheiros”, disse. O executivo da Anatel enfatiza que o Wi-Fi 6 já pode ser usado - e está sendo testado- nas faixas de 2,4 GHz e 5GHz, como as teles estão fazendo o 5G com DSS no 4G - mas lembra que a faixa de 6GHZ, com 1,2 GHz de espectro disponível, dará um outro dimensionamento para as redes sem fio e abre para o Wi-Fi 6E.

Caram lembra que se a faixa de 5,925 GHz a 7,125 GHz for destinada à radiação restrita, a Anatel atua apenas quando e se houver interferência. “Estamos restringindo ao uso indoor e conexão de curta distância sem interferir nos outros serviços na faixa — serviços fixos, fixos por satélite e SARC, em 6,4 GHz, 6,5 GHz e 6,7 GHz”, disse.

Sobre a disputa pelo espectro, o superintendente da Anatel apresentou um tom conciliador. “Estamos tentamos conciliar os interesses de garantir espectro para todo o setor, tanto para radiação restrita como para o IMT (o serviço móvel das teles)”,enfatizou. Assistam a participação de Vinicius Caram no eForum Wi-Fi 6.

Veja abaixo a íntegra do evento.


Internet Móvel 3G 4G
Leilão 5G: TIM briga por 3,5GHz e 26 GHz e abre mão da faixa de 2,3GHz

Pelas regras do edital, a TIM já não poderia participar do leilão de 700 Mhz, também descartada pelo CEO, Pietro Labriola. Os valores a serem aportados no 5G ainda não estão definidos e não fazem parte dos R$ 4,4 bilhões previstos para 2021. "Ficamos felizes com o 5G de verdade, o 5G standalone", disse o executivo.

AO VIVO!     Dias 02 e 03 de março
Clique aqui para assistir

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Acompanhe o evento Wi-Fi 6E. É gratuito

O primeiro dia do evento reúne especialistas como Umair Javed, Conselheiro-chefe da presidência da FCC, Emmanoel Campelo, Conselheiro e vice-presidente da Anatel, Pamela Gidi, vice-ministra de Telecomunicações do Chile, Alex Roytblat, VP de regulatório da Wi-Fi Alliance, Martha Suarez, presidente da Dynamic Spectrum Alliance, entre outros. Inscreva-se e acompanhe o debate sobre o impacto do uso do Wi-Fi 6E no mercado brasileiro e mundial.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.

Baigorri: Esperar demanda para exigir 5G pleno é o oposto de política pública

“O desconto no valor da frequência é uma decisão de Estado para financiar o investimento. É usar recurso público para garantir que Macapá, Boa Vista e Rio Branco tenham as mesmas funcionalidades de São Paulo”, afirma o relator do 5G na Anatel, Carlos Baigorri. 

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Maioria do Plenário acompanhou o entendimento do relator, Gilmar Mendes, de que um ordenamento unificado nacional faz parte das competências da legislação federal. Para Conexis, "STF reconheceu papel vital da conectividade".




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G