Clicky

Home - Convergência Digital

Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

Convergência Digital - 23/10/2020

A internet das coisas vai obrigar as empresas a lidar com uma pluralidade de dispositivos heterogêneos, como sensores, máquinas, equipamentos, eletrodomésticos, assistentes inteligentes, objetos, robôs industriais, vestíveis e ainda tratar sistemas totalmente inovadores e diferentes do que conhecem hoje. Esse horizonte obriga novas abordagens para a segurança da informação. 

“O paradigma da proteção dos dados muda totalmente e quem não estiver preparado pode sofrer ataques, vazamento de dados, prejuízo à imagem da marcar, e é bom lembrar das multas da Lei Geral de Proteção de Dados, que já está em vigor", diz o fundador da CLM, distribuidora de Valor Agregado com foco em segurança da informação, proteção de dados, infraestrutura para data centers, Francisco Camargo.

Nesse cenário, é preciso proteger os dispositivos IoT da empresa, dos seus colaboradores, que atualmente trabalham de casa, e da população em geral para evitarmos que os dispositivos IoT se transformem em "Zumbis", que são vetores de ataque importantes.

 Dispositivos inocentes, como Impressoras conectadas, câmeras de vigilância, caixas de som conectadas, dispositivos de controle, tipo Alexa ou Siri, controle de temperatura dos aquecedores domésticos, mesmo os carros conectados, podem se transformar rapidamente em perigosos atacantes.

As recomendações primárias de segurança para dispositivos IoT são:

1. Primeira e mais importante, assim que tirar da embalagem, altere o nome de usuário e a senha padrão que vem de fábrica, antes mesmo de conectar o dispositivo à sua rede;

2. Segundo, acompanhe de perto, as atualizações do firmware (software embarcado) publicadas pelo fabricante e aplique-as assim que estiverem disponíveis

3. Certifique-se de que todas as atualizações de software / firmware para dispositivos IoT venham de uma fonte confiável, geralmente o fabricante;

4. Sempre que possível, use os mecanismos de autenticação de dois fatores disponibilizados pelos fabricantes, parecido com o do WhatsApp;

5. Se estiver desconfiando que existe um backdoor (um vazamento de dados, oculto), reinicie o equipamento e atualiza e a versão, se continuar, chame um especialista;

6. Nas organizações, uma política de rede simples, mas eficaz, é restringir o alcance do dispositivo IoT a um conjunto limitado de serviços na rede;

7. Tenha o seu antivírus, antimalware, de preferência com inteligência artificial,  sempre atualizado. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/03/2021
Oi Soluções lança plataforma de IoT que auxilia empresas no controle do consumo de energia

17/03/2021
SABESP faz projeto-piloto que une cloud, IoT e Inteligência Artificial

16/03/2021
Dataprev cria Centro de Excelência em Internet das Coisas no Ceará

03/03/2021
Deutsche Telekom investe em roaming para ser global com NB-IoT

12/02/2021
Anglo American contrata a TIM para cobertura 4G LTE no Brasil

08/02/2021
Por IoT global, japonesa compra fabricante britânica de chips da Apple, Samsung e Xiaomi

15/01/2021
TIM entra na disputa pela gestão da iluminação pública com rede de IoT

17/12/2020
Teles questionam vetos do governo ao uso do FUST em inclusão digital

17/12/2020
Sancionada, isenção de taxas para internet das coisas vale a partir de 2021

03/12/2020
Provedora de IoT Cubic Telecom contrata infraestrutura da TIM para atuar no Brasil

Destaques
Destaques

Highline se propõe a comprar licença 5G e oferecer espectro como serviço para ISPs

A proposta da empresa, explicou Luis Minoru, diretor de estratégia e novos negócios, é o de oferecer toda a infraestrutura na modalidade de serviço. Já há testes em andamento, não revelados, para o funcionamento da modalidade que inclui a operação de telefonia móvel.

Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

Levantamento da União Internacional de Telecomunicações mostra que a principal razão da exclusão digital é o alto preço do serviço diante da receita do consumidor. "Houve uma queda nos preços, mas precisa cair muito mais para termos um futuro melhor", pontuou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Com rede sujeita a apagões, qual impacto do 5G na energia no Brasil?

Por Pedro Al Shara*

Segundo pesquisa da Vertiv, fornecedora de equipamentos e serviços para infraestrutura crítica, um aumento da ordem de 150% a 170% no consumo energético é projetado no setor de Telecom até 2026. Com toda a inovação que o 5G representa, mais dispositivos poderão acessar a internet móvel ao mesmo tempo, utilizando o mesmo sinal.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site