Clicky

Huawei:5G exige empresas locais para aplicações e geração de talentos

Ana Paula Lobo ... 05/05/2021 ... Convergência Digital

O nome do jogo no 5G não é a conectividade, mas, sim, as aplicações que virão dessa infraestrutura, pontua o diretor de cibersegurança e soluções da Huawei Global, Marcelo Motta, em entrevista ao Convergência Digital. Segundo ele, o Brasil precisa entender que o 5G não é uma tecnologia, mas uma era nova nas telecomunicações e exigirá a criação de ecossistemas locais e a geração de talentos. A Huawei participa esta semana de evento organizado pelo ministério das Comunicações, no Congresso Nacional, para mostrar as aplicações já existentes para o 5G.

"Não vai se ter o 5G que ser quer sem as empresas locais fazendo aplicações e sem a geração de talentos. As aplicações são a diferença. São elas que vão trazer os benefícios esperados para a economia e eles são bem efetivos. Pesquisa da Deloitte mostra que o 5G trará um impacto positivo de 2,5% no Produto Interno Bruto por um período de 15 anos. Esse ganho é enorme e vai muito, mas muito além da conectividade pura", observou Motta.

Bastante cauteloso ao falar sobre a participação da Huawei no mercado 5G no Brasil, até para evitar atritos, o executivo da Huawei Brasil diz que já fez testes com todas as operadoras para mostrar a capacidade de fazer 5G e a fabricante tem o equipamento mais leve disponível no mercado, com 19 quilos e uma alta capacidade de processamento, com redução de consumo de energia.

"O Brasil tem um gap enorme de antenas. Hoje possui 100 mil antenas para serviços 2G, 3G e 4G. Na China, por exemplo, só para o 5G já foram instaladas mais de 1 milhão de antenas. Então temos que fazer o 5G acontecer", afirmou, sem responder a indagação se o Brasil ficaria atrasado caso o leilão não aconteça em julho, por conta do edital, em avaliação pelo Tribunal de Contas da União.

Motta insistiu que as aplicações têm de ser a estratégia até para valorizar startups e empresas locais. "E não tem jeito, essa ação exige políticas públicas", observou. A Huawei participa do evento governamental com uma série de aplicações, já em uso no mundo, entre elas o Agropecuária Inteligente, com o destaque para o uso de drones para o monitoramento da produção com mais eficiência, como a detecção de pragas e doenças por meio do rastreamento combinado de imagens e vídeos de alta resolução armazenados em nuvem.

Essas soluções ainda vão possibilitar a otimização da aplicação de fertilizantes e pesticidas, permitindo ao agricultor reduzir os custos da operação. Para a pecuária, vai apresentar uma aplicação de rastreamento de rebanhos, assim como equipamentos que podem garantir conexão em lugares remotos. A fabricante também tem aplicações para segmentos como mineração, portos e aeroportos.

Open RAN

Indagado sobre o Open RAN, a Huawei mantém a sua posição: terá a tecnologia quando ela estiver eficiente e garanta a performance. Até lá, os testes feitos comprovaram falhas ainda não resolvidas. "Você pode comprar um carro em uma montadora, ou adquirir as peças e montar o carro sozinho. O Open RAN é mais ou menos isso. Hoje, o Open RAN precisa de interfaces abertas, mas essas interfaces não estão especificadas. Não existe uma padronização internacional", afirmou Marcelo Motta.

Segundo ele, a Huawei já fez testes e constatou que o Open RAN vai evoluir, mas, agora, não apresenta a performance esperada. "Muitos fornecedores em um único site para a operadora gerenciar e com o 5G em constante evolução não me parece uma boa eficiência", adicionou.

Outro ponto polêmico é a capacidade dos chipsets de mercado em fazer o processamento sem um consumo alto de energia. "Hoje eles não fazem isso", sentenciou. O executivo da Huawei Brasil sustentou que se o Open RAN conseguir a padronização internacional, a fabricante fará uso da tecnologia até porque, lembrou, a Huawei se programou para investir mais de US$ 100 bilhões em pesquisa e desenvolvimento nos próximos cinco anos.


Internet Móvel 3G 4G
Itaú Unibanco e Vivo Empresas testam agência bancária com 5G

Tecnologia foi implantada em uma agência localizada no Brooklin, bairro da zona sul da capital paulista, por meio de uma licença experimental da Anatel, na frequência de 3,5GHz.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

TIM emite R$ 1,6 bilhão em debêntures vinculadas à ESG

Operação é a primeira realizada por uma empresa de telecomunicações no país. Tele diz que todos os recursos arrecadados serão investidos em infraestrutura, em especial, no 5G.

Justiça condena Claro e Mercado Pago a indenizar dono de celular sequestrado

Jusitça usou o Código de Defesa do Consumidor como base para estabelecer a punição aos prestadores de serviços. Consumidores tiveram telefone registrado em outro chip e dinheiro sacado de plataforma de intermediação de pagamentos.

Pernambucanas investe em chip próprio de telefonia móvel

Varejista investe em telefonia MVNO em parceria com a Surf Telecom. Modelo de negócio não exige fidelidade e não cobra multas e não há plano fixo.

Anatel busca consultoria para implementar acesso dinâmico a espectro

Contratação será feita pela União Internacional de Telecomunicações e envolve análise do arcabouço normativo e proposta de novas possibilidades de regulação.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G