Clicky

INTERNET

Facebook reage e diz que venda de Instagram e WhatsApp é revisionismo histórico

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/12/2020 ... Convergência Digital

O Facebook reagiu à ação da Comissão Federal do Comércio dos Estados Unidos (FTC), que acusa a rede social de monopólio e quer que a Justiça obrigue a empresa a se desfazer do Instagram e do Whatsapp. Em longa nota da vice-presidente global jurídica, Jennifer Newstead, o FB recusa a classificação, diz que tem vários concorrentes, e questiona o “revisionismo histórico” tendo em vista que a compra dos aplicativos de foto e mensagens foram aprovadas pelas autoridades, a começar pela própria FTC. 

“As plataformas de maior sucesso amadurecem e se adaptam às mudanças nas preferências das pessoas. Nossos produtos se tornaram e permanecem populares por esse motivo - constantemente evoluímos, inovamos e investimos em melhores experiências para as pessoas contra concorrentes de peso global, como Apple, Google, Twitter, Snap, Amazon, TikTok e Microsoft. Inovamos e melhoramos constantemente porque precisamos fazer isso”, aponta a VP jurídica do Facebook. 

Ao lembrar que as aquisições se deram ainda em 2012 e 2014, ela destaca que “essas transações tinham o objetivo de fornecer produtos melhores para as pessoas que os usam, o que definitivamente aconteceu. Ambas as aquisições foram revisadas por reguladores antitruste relevantes na época. A FTC conduziu uma revisão detalhada da transação (“Segunda Requisição”) do Instagram em 2012 antes de votar por unanimidade para liberá-la. A Comissão Europeia analisou a transação do WhatsApp em 2014 e não encontrou risco de prejuízo à concorrência em qualquer mercado potencial”.

“Agora, muitos anos depois, aparentemente sem levar em conta a legislação estabelecida ou as consequências para a inovação e investimentos, a Comissão está dizendo que errou e quer uma nova análise. Além de ser um revisionismo histórico, não é assim que as leis antitruste deveriam funcionar. Nenhum agente antitruste norte-americano jamais abriu um caso como esse antes, e por um bom motivo.”

Ainda segundo o posicionamento da rede social, o movimento é atrelado ao intenso debate em curso, especialmente nos EUA, sobre o papel das redes sociais em processos eleitorais, uso de dados pessoais e na própria utilização das plataformas para disseminação de desinformações. Para o FB, a resposta não estaria na ação antitruste, mas na adoção de regulação específica. 

“Perguntas importantes estão sendo feitas sobre empresas chamadas "big tech" e se o Facebook e seus concorrentes estão tomando as decisões corretas em relação a temas como eleições, conteúdo prejudicial e privacidade. Tomamos muitas medidas para resolver esses problemas e ainda estamos longe de terminar. Solicitamos uma nova regulamentação para abordar alguns deles em larga escala e em todo o setor. Mas nenhuma dessas questões são preocupações antitruste, e o caso da FTC nada faria para resolvê-las. Esses difíceis desafios serão melhor resolvidos com uma atualização das regras da internet.”


Revista Abranet 33 . jan-mar 2021
Veja a Revista Abranet nº 33
A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais impõe a contratação de um DPO (Data Protection Officer), profissional que tende a ficar cada vez mais requisitado e valorizado... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

HelpSystems mira LGPD e investe em classificação de dados

Finalizada a incorporação dos fornecedores Titus, Boldon James e Vera, a provedora ganha presença nacional e avança no segmento de classificação de informações confidenciais.

Oi oferta 1 Giga atenta a demanda dos clientes no FTTH

Operadora terá duas modalidades de oferta: banda larga + VoIP e banda larga+ IPTV. Objetivo é atrair novos consumidores para a base de clientes, revela Bernardo Winik, VP de clientes da Oi.

Fapesp abre chamada estratégica para Internet de R$ 30 milhões

Podem ser apresentadas propostas em temas como software livre, dados abertos e padrões abertos, entre outras.

Pix precisa avançar na proteção ao consumidor nas compras online

Para não ter dor de cabeça com sites fraudulentos, problemas na entrega ou cancelamento das compras feitas na Internet, o consumidor precisa ter atenção redobrada, adverte o CEO da paySmart, Daniel Oliveira.

Idec cobra ANPD, Senacon e Cade por medidas contra mudanças no WhatsApp

Entidade de defesa do consumidor alega que por não permitir consentimento, nova política de privacidade e termos de uso violam LGPD. Novo modelo da OTT está previsto para vigorar a partir do dia 15 de maio.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G