INCLUSÃO DIGITAL

America Net: Programa WiFi Livre SP une risco e oportunidade de negócios

Por Roberta Prescott* ... 23/01/2019 ... Convergência Digital

A America Net traçou como meta usar o programa WiFi Livre SP, onde vai investir R$ 20 milhões para passar dos atuais 60 pontos para 619 na capital paulista, para reforçar e consolidar a sua marca junto aos assinantes. O investimento previsto é R$ 20 milhões para a construção de infraestrutura. José Luiz Pelosini, vice-presidente da America Net, explicou que o novo modelo do programa WiFi Livre SP mudou a forma de contratação e que, em vez da prefeitura fazer a contratação do serviços, com pagamento mensal pelo serviços de Wi-Fi, as empresas credenciadas prestarão serviços sem ônus para a prefeitura, mas poderão vender espaços publicitários, por exemplo, fazendo com que o usuário tenha de assistir a um vídeo ou ver um anúncio antes de navegar.

“Estamos buscando parceiro para fazer a parte de monetização. Não é nosso negócio vender anúncio, por isto, vamos contratar empresa para comercializar os pontos”, explicou. Dos 619 pontos, metade será em localidades obrigatórias, o que obriga a America Net a entregar a infraestrutura em até um ano após a assinatura do contrato — os pontos opcionais precisam ter o acesso em até dois anos. Pelo programa, outras empresas podem ser credenciar para ofertar internet sem fio nos mesmos locais, no entanto, o VP acredita que dificilmente isto ocorrerá. “Legalmente é possível ter outros players, mas economicamente não seria viável para eles, já que estaremos operando”, afirmou.

O VP calcula que o tempo de amortização do investimento de R$ 20 milhões será de cinco anos. “Existe expectativa de retorno e de lucro”, disse, sem revelar números. Pelosini avalia que o alto investimento é de risco, mas se mostrou entusiasmado com o retorno que a empresa terá, principalmente, de exposição de marca e de as pessoas passarem a conhecer a qualidade do serviço da operadora.

Questionado sobre o que motivou a America Net a se credenciar para todos os pontos, Pelosini explicou que o projeto tem tudo a ver com o DNA da empresa, que atualmente oferece serviços de telefonia fixa e móvel, serviços de dados e links MPLS com cobertura em sete Estados mais o Distrito Federal, chegando a 250 cidades.

Hoje, a operadora tem pouco mais de 16 mil quilômetros de rede ótica. “O principal business é a venda de soluções sob medida para empresas de todos os portes. De alguns anos para cá, projeto que vem se desenvolvendo bem no varejo, atendendo a residências e pequenos comércios com banda larga, telefonia fixa e móvel, enfim, todo leque de soluções de operadora de telecom”, disse. A America Net opera na telefonia móvel no modelo de MVNO usando a rede da TIM.

Crescimento

A empresa não abre faturamento, mas Pelosini adiantou que houve crescimento de mais de 20% em 2018 em relação a 2017 e que a expectativa para 2019 é seguir em alta. “Hoje temos mais de 50 mil assinantes no mercado de banda larga. Nossa expectativa é, que com este projeto que vem evoluindo, nos próximos três anos consigamos cabear cem cidades para chegar com oferta de banda larga fixa no Estado de São Paulo”, explicou.

Chegar a cem cidades seria um enorme salto em comparação às dez cidades nas quais a operadora tem presença atualmente. Em 2019, a meta é expandir a rede para mais seis cidades. “Estamos trabalhando agora para viabilizar fortemente o projeto de crescimento rápido para em três anos estar em cem cidades”, reforçou. Segundo o VP, a expansão não se dará por meio de fusão ou aquisição de outras empresas. “A discussão atual é como conseguimos dar este salto, qual vai ser a fórmula.”

Fonte: site da Abranet


Carreira
Oito em cada 10 líderes de TI assumem dependência dos dados

Estudo feito pela IBM mostra que 19% do total de entrevistados na América Latina esperam um alto ROI de investimentos em tecnologias estabelecidas como cloud, IoT, mobile, e 11% esperam um ROI de tecnologia emergente como blockchain ou 5G.

Audima cria ferramenta para levar conteúdo aos analfabetos digitais

A partir da própria dor, uma vez que tem dislexia, Paula Pedrosa criou a Audima, uma startup que transforma palavras em áudios. "O império da visão exclui muita gente. Nosso desafio, hoje, é mostrar que inclusão monetiza", observa a executiva.

Domicílios com Internet chegam a 67% no Brasil, mas desigualdade permanece

TIC Domicílios 2018, do CGI.br, revela que as classes D e E elegeram o smartphone como o meio preferencial de acesso.

Nas favelas, há jovens ávidos para aprender e trabalhar com TICs

O projeto Vai na Web já formou 200 jovens em linguagem de programação, mas, agora,busca recursos para ensinar as profissões do futuro como Inteligência artificial e internet das coisas.

Anatel aprova consulta para aumentar potência do Wi-Fi

Além de permitir o uso de equipamentos WiFi na faixa de 60 Ghz, para o WiGig, que promete conexões de até 7 Gbps, agência prevê aumentar a potência atual dos aparelhos na faixa de 5 GHz.  

Anatel quer saber se há interesse em investir em satélites no Brasil

Consulta pública sobre o tema recebe contribuições até 7 de setembro. Ideia é saber se há empresas que queiram prover serviço ininterrupto de capacidade satelital por cinco anos a partir de 1 de janeiro de 2021.

Sem rede e velocidade de conexão, escola rural padece para acessar à Internet

Apenas 34% das escolas possuem ao menos um computador com acesso à internet e a velocidade de conexão é baixa para permitir uso pedagógico, na faixa de 2 Mbps, revela a pesquisa TIC Educação 2018, do CGI.br.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G