TELECOM

Pietro Labriola, TIM: "A Vivo é a empresa a ser desafiada. A Claro copia e baixa preço"

Ana Paula Lobo e Pedro Costa* ... 04/06/2019 ... Convergência Digital

Mais do que lançar um novo produto - o TIM Black Family - a TIM Brasil definiu as coordenadas da sua atuação no mercado de telecom em 2019 em evento realizado nesta terça-feira, 04/06, no Rio de Janeiro. O novo serviço - que permite que até seis pessoas da mesma família compartilhem dados, e oferta a contratação de dados que varia de 60 a 180 Gibabytes - também se autodefine como um hub de entretenimento, por unir Netflix, Deezer (produto de música da TIM) e o TIM Banca, com conteúdo de grandes veículos de comunicação.

O lançamento do TIM Black Family aconteceu durante a Convenção Nacional de Vendas da TIM, realizada no Riocentro, no Rio de Janeiro. E o novo produto tem características inovadoras. Entre elas, o fato de não mais separar o tráfego de vídeo. O compartilhamento pode acontecer da forma que o usuário quiser. Também tem como facilidade levar a sobra de gigabytes para o mês seguinte, ou seja, se o usuário contratou 180 Gb e não usou no mês, a próxima fatura só será cobrada quando essa 'sobra' terminar de ser consumida.

"O usuário está exigindo mais serviço, mais qualidade. Especialmente o usuário da classe A e B que é o alvo do TIM Black Family", sustentou Pietro Labriola aos jornalistas. Para atender a essa demanda, a TIM reconstruiu o aplicativo MEU TIM e, ao mesmo tempo, investiu no atendimento humano. "Não estamos deixando de usar a Inteligência Artificial. Ao contrário. Estamos usando muito. Mas quando o cliente não resolve a sua questão no aplicativo, ele quer falar com alguém que resolva. Não quer ir para um URA tentar tudo de novo. A Inteligência artificial chega para melhorar o atendimento humano", afirmou.

O CEO da TIM Brasil também falou sobre o mercado de telecomunicações. Elogiou a Vivo - e assumiu que é ela a operadora a ser desafiada. "Somos a número 2 do mercado e queremos desafiar a Vivo que soube construir a sua primeira colocação. O nosso DNA é o da Inovação e estamos recriando os nossos produtos", afirmou. E não faltou críticas à rival Claro: "A Claro cobre a nossa oferta em termos de preço e copia o produto. Ela terá de se definir". Ainda sobre as operadoras, Labriola disse que o momento é o de aproveitar as oportunidades no que as teles construíram: capilaridade nacional, capacidade de vendas e de atendimento de milhões de pessoas.

"Na TIM, nós atendemos 60 milhões de pessoas. Nós sabemos vender nas lojas, na Internet e estamos em todo o país. Temos o atendimento ao cliente. Esses diferenciais fazem a diferença na economia digital", reforçou. A parceria com a Netflix reforça a posição de não produzir conteúdo. "Eles sabem fazer muito melhor do que nós", e serve como uma reflexão com relação ao passado e a disputa com o WhatsApp.

"Fomos nós, operadoras, que não soubemos fazer o MMS (que permitia vídeo e texto) funcionar. Fomos nós que soubemos tornar o SMS universal. O WhatsApp chegou e se tornou um padrão. Agora com conteúdo podemos unir forças: nós sabemos atender ao cliente. Nós sabemos cobrar. Eles fazem conteúdo". Em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, Pietro Labriola fala do momento da TIM Brasil e das consequências do lançamento do TIM Black Family. Assistam.


Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

Proposta foi apresentada em reunião do Conselho Diretor da Anatel.  Mas a faixa é usada pela Força Aérea Brasileira para aplicações de telemetria. Agência sugere destinar 30 MHz para satélites, como forma de evitar interferência.

Telefone ainda é o canal preferido para reclamações sobre serviços

Desde o início da pandemia da Covid-19, mais de um terço das solicitações (36%) foi encaminhada por telefone, bem à frente chat (21%) e email (20%).

Anatel publica novo regulamento de arrecadação de tributos

Norma disciplina recolhimento do FUST, Fistel, e da Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública.

Oi: Atraso do novo marco de Telecom jogou ao menos R$ 3 bilhões no 'ralo'

A migração de concessão para autorização só vai acontecer se o processo for sustentável. "Ou resolvemos antes ou esse problema termina em 2025", afirmou o CEO da Oi, Rodrigo Abreu. Sobre a Anatel, principal credora da Oi, o executivo disse que vai busca nova negociação. A volta do Minicom é positiva. "Teremos um interlocutor mais próximo".

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G